Banner

Banner

quinta-feira, 23 de abril de 2015

Serial Killer: Ex-detento confessa que matou funcionária do São Domingos



Depois de confessar a morte da técnica de enfermagem Wilna de Paula Costa, de 29 anos, o assassino confesso assumiu a morte de outra técnica de enfermagem, Mayara de Sousa Amorim, de 19 anos, que morava em Pedrinhas e se dirigia para o trabalho no dia em que foi estuprada e morta por Marco Aurélio Teixeira Silva, no mês de fevereiro deste ano.

A técnica de enfermagem Mayara Amorim trabalhava no Hospital São Domingos e desapareceu por volta das 5h do dia 6 de fevereiro, uma sexta-feira, quando aguardava o ônibus para ir ao serviço. O corpo dela foi localizado na manhã do dia seguinte, ainda com a farda do hospital, amarrada e com sinais de estrangulamento.
Na casa dele, segundo informações de familiares da vítima, a polícia encontrou a Carteira de Identidade e cartões bancários da técnica de enfermagem.
Um tio de Mayara, líder comunitário da comunidade Rio Grande, pediu empenho da Secretaria de Segurança Pública do estado para elucidação do crime. Mesmo após a revelação do assassino, ele não descarta a participação de uma outra pessoa no homicídio. A polícia informou que vai continuar as investigações.
Marco Aurélio confessou ter assassinado a própria esposa em 2006, utilizando um fio elétrico para estrangular a mulher. Mesmo modus operandi empregado na morte de Wilna e de Mayara.
Pela morte da mulher dele, Marco Aurélio cumpria pena em regime semiaberto e antes era interno do Presídio São Luís 1 (PSL 1), após ter sido condenado a 36 anos de detenção.

Com a confissão detalhada da morte de Mayara, sobe para três os homicídios praticados por ele contra mulheres, o que já o leva a ser considerado um “serial killer” ou matador em série. E, de acordo com a polícia, não é descartado que esse número possa crescer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário