Banner

Banner

quarta-feira, 27 de maio de 2015

Roseana com medo

Editorial JP, 27 de maio


Algumas pessoas imaginam que um processo na Justiça é pouca coisa, principalmente para pessoas ricas, com muitos advogados, recursos e embargos de toda espécie à sua disposição. Nesta tese, não haveria sofrimento para acusados de corrupção, pois as firulas da lei e os trâmites judiciais lhes garantiriam a impunidade.  No máximo, são obrigados a gastar muito dinheiro o que, afinal, lhes sobra e não falta nunca.
Mas Roseana Sarney está sofrendo, está sofrendo muito. Estão sofrendo Edison Lobão e João Abreu, desde que a “Operação Lava Jato” descobriu um formidável escândalo de corrupção na Petrobrás. Eles enxergam, desde o escândalo do Mensalão, que a Justiça mudou e no Brasil de hoje, políticos e ricos empresários podem, sim, ir parar na cadeia, mesmo que seja por pouco tempo.
Para quem viveu o luxo dos tapetes persas, dos perfumes franceses, consumiu especiarias, vagou de jatinhos e helicópteros pelo mundo, imaginar-se restrito a uma cela é um sofrimento sem fim. Eles pensam que José Dirceu, José Genoíno, homens fortes do governo, ficaram presos tempo demais e... se imaginam lá.
Com Sarney fora do poder e com esses juízes e promotores implacáveis, Roseana se desespera. A visão ridícula dos maiores e mais ricos executivos do país vagando pelas ruas ornados por tornozeleiras eletrônicas, deve destruir seus nervos sistematicamente. Não importa se vai ser uma prisão top de linha; não é para ela. Não para Roseana, a filha do eterno imperador, a costumada a todos os luxos da vida e todos os confortos do poder.
E as acusações sobre Roseana e Lobão se acumulam, pesam, tiram o sono. Os advogados não estão conseguindo arquivar o processo, como conseguiram no caso de Fernando Sarney. Uma auditoria no Estado já conclui que ela é culpada, o procurador-geral da República insiste no indiciamento dos políticos. Um destino sombrio assombra todas as premonições da antes governante do Estado. O processo do Petrolão atiça a opinião pública, revolta a população. Há um movimento nacional nas ruas do país pedindo as cabeças dos corruptos, a Justiça não parece disposta a contrariar o povo e os que já foram presos não querem pagar a conta de tão malfadado esquema sozinhos.
A manchete de seu jornal, “População com medo”, soa muito mais como uma transferência psíquica, no melhor estilo Criminal Minds, que como impacto da verdade, pois a julgar pelo desfile de terror ocorrido em São Luís durante seu governo, o medo era muito maior. Os sintomas desse medo estão em todos os lugares. O PMDB, seu partido, se autoflagela em corrosivos discursos na Assembleia e esquece que precisa de forças para protegê-la. Seu endinheirado marido, Jorge Murad, não atende mais telefonema de seu ex-chefe da Casa Civil, João Abreu, o primeiro suspeito.

Não é a população, é Roseana quem está com medo. É Lobão quem treme mais do que vara verde. Medo do que possa está gravado nos circuitos internos dos hotéis, medo do que possa dizer João Abreu, medo da Justiça. Medo da lei.

Nenhum comentário:

Postar um comentário