Banner

Banner

quarta-feira, 10 de junho de 2015

Crianças assassinas

Editorial JP, 10 de junho  de 2015

Sem querer nos acostumamos aos crimes mais monstruosos neste país. O homem, dito único animal racional sobre a face da terra, tornou-se capaz de atos dignos de feras famintas. A descoberto, nossos corações se indignam e nos sentimos humilhados e entristecidos da condição humana. Mas logo uma nova notícia nos acorda para um novo crime, ainda mais bárbaro, e, sem que possamos entender o que aconteceu, essa notícia de morte se banaliza ao correr da História.
Crianças assassinas nos rodeiam, empunhando revólveres ou armas brancas, com tal peso que nem conseguimos lembrar que elas deveriam estar estudando ou fazendo acenos para as namoradas. A miséria humana se estatela nas paredes de edifícios digitais onde outros criminosos, os corruptos, roubam moradia, roubam educação, saúde e alimentação de outros futuros monstros que se constroem nos becos, esquinas e cadeias, cada vez mais monstros, cada vez mais desumanos. A humanidade vende mais drogas que livros, lucra mais com alucinações que com dízimos e assistência social.
E ler consome a alma. No ano passado a visão de cabeças degoladas e de homens jogando futebol com cabeças humanas num presídio do Maranhão rompeu a linha entre o raciocínio e a insanidade. Depois, eram garotos incendiando ônibus com passageiros dentro, crianças torrando crianças vivas em praça pública; uma sanha assassina incontrolável, um nível de perversão dos sentidos que nem podíamos imaginar.
Este ano, uma chacina em Panaquatira registrou a presença de menores entre os autores dos homicídios e um garoto com uma faca dentro do ônibus foi morto por um passageiro que também matou uma estudante no vigor de seus 21 anos. De São Paulo e do Rio de Janeiro chegaram as notícias de meninos vestidos de armas brancas assassinando ciclistas no passeio em troca de alguns trocados, ou de nada além do terrível prazer de matar.
Mata-se mais no Brasil que em países em guerra. Mata-se tanto que as autoridades não tem tempo de construir prisões para guardar tantos assassinos. E, para desgraça de todas as nossas ilusões de que uma solução possa ser encontrada, alguém sugere, nas páginas de um jornal, o genocídio no pior estilo dos nazistas contra os judeus. Sugere mais mortes, mais sangue, mais crimes. Outros, simplesmente expõem os cadáveres como matéria de disputas políticas, sem o mínimo resquício de preocupação social.
Mas alguma coisa de muito ruim aconteceu para que fosse assim. A nossa convivência era com trombadinhas, com batedores de carteira, com meninos pulando muros e janelas. Esses meninos viraram monstros, aprenderam a gostar de matar.

E a sociedade se esconde com medo das crianças. Com medo das crianças, meu Deus!

Nenhum comentário:

Postar um comentário