Banner

Banner

quinta-feira, 18 de junho de 2015

Mais IDH do Maranhão é um exemplo para o mundo, diz embaixador da ONU

Metas da ONU como reduzir a fome e a miséria, oferecer educação básica de qualidade, reduzir a mortalidade infantil, estão inclusas no programa de governo e no Plano Mais IDH, de Flávio Dino.


Um exemplo para o mundo de uma nova estratégia de concentração de esforços para diminuir a desigualdade social. Foi assim que o embaixador das Nações Unidas (ONU) no Brasil definiu o Plano de Ações ‘Mais IDH’, que começou a ser implantado pelo Governo do Estado em 2015, sob a coordenação de Flávio Dino.
Visitando o Maranhão para conhecer o programa maranhense que usa o Índice de Desenvolvimento Humano como métrica para avaliar as políticas públicas e definir metas para promover a igualdade social, Jorge Chediek (embaixador da ONU) reuniu-se com as equipes do Governo do Estado e da Prefeitura de São Luís na manhã desta quarta (17) para saber detalhes do projeto e de que maneira a ONU poderá ajudar o Estado na melhoria dos indicadores sociais.
“A nível internacional é importante mostrar que uma política dá certo na construção da dignidade da pessoa, na concentração dos esforços do poder publico para as pessoas que mais precisam. A construção desse novo mundo é possível. O seu governo tem nosso total reconhecimento e gratidão”, disse Jorge Chediek, em reunião no Palácio dos Leões, ao lado de representantes e pesquisadores do PNUD, da Fundação João Pinheiro, do IPEA e do IMESC.
No plano federal, o Governo do Estado contará com o apoio da Secretaria Geral da Presidência da República para o êxito das políticas sociais. O secretário nacional das Relações Político Sociais da Presidência afirmou que o passo que o Maranhão começa a dar na promoção dos direitos básicos à população mais carente é fundamental para que o Brasil alcance um novo patamar de desenvolvimento.
“O Maranhão existe em dois momentos, um antes e um depois deste Governo. Daqui a quatro anos tenho certeza que estaremos sentados aqui comemorando a melhoria dos indicadores sociais porque, com tantas ações sérias, o Brasil consegue ver que o Maranhão está no caminho certo”, disse Wagner Caetanos, da Presidência da República.
Erradicar escolas de taipa, promover a inclusão social a partir da agricultura familiar, melhorar as habitações rurais, proporcionar água potável para as sedes dos municípios, instalar restaurante populares e realizar um grande mutirão pela alfabetização são algumas das ações previstas para serem implantadas nos municípios com menor desempenho na medição do IDH no Maranhão.
Elas serão beneficiadas ao longo deste e do próximo ano com ações focadas em reduzir a extrema pobreza, melhorar a educação e promover a qualidade de vida. Segundo o embaixador, a ONU vai contribuir com novas metodologias e mecanismos para medir o progresso do desenvolvimento humano e monitoramento de resultados das políticas públicas na vida da população em situação de vulnerabilidade.
Para o governador Flávio Dino, a ação integrada com institutos nacionais e internacionais vai contribuir para o êxito dos programas do Governo do Estado, tendo como resultado final melhor qualidade de vida para quem mais precisa. “Essas ações são a reafirmação de um caminho claro que, tanto Governo quanto Prefeitura, optaram por trilhar. O caminho da justiça social e da concepção de que o desenvolvimento econômico isolado não contempla o essencial para o êxito de políticas públicas, que devem ter sempre como foco a população que mais precisa,” disse o governador,
Governador aderiu a ODM
Durante o encontro, Flávio Dino assinou o Termo de Adesão do Maranhão aos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM). Para aderir ao ODM, o Estado precisa se comprometer a estabelecer políticas públicas que caminhem para alcançar as metas estabelecidas pela ONU. 15 anos depois do seu lançamento, o Maranhão adere ao compromisso de melhorar os indicadores socioeconômicos promovendo justiça social.
As metas do milênio foram estabelecidas pela ONU em 2000 e são as bases norteadoras de políticas públicas para o desenvolvimento com inclusão. As metas são: acabar com a fome e a miséria; oferecer educação básica de qualidade para todos; igualdade entre sexos e valorização da mulher; reduzir a mortalidade infantil; melhorar a saúde das gestantes; combater a aids a malária e outras doenças; qualidade de vida e respeito ao meio ambiente e todo mundo trabalhando pelo desenvolvimento.

Participaram do evento o prefeito da capital, Edivaldo Holanda Júnior, Marco Aurélio Costa (diretor de Estudos Regionais do IPEA), o chefe da Casa Civil, Marcelo Tavares, os secretários de Estado Márcio Jerry (Assuntos Políticos e Federativos), Tatiana Pereira (Juventude), Neto Evangelista (Desenvolvimento Social), Flávia Alexandrina (Cidades), Laurinda Pinto (Mulher), Susan Lucena (Mulher), o diretor do IMESC, Felipe de Holanda, os secretários municipais, Fátima Ribeiro (SegurançaAlimentar), Batista Matos (Comunicação) e o vereador Honorato Fernandes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário