Banner

Banner

terça-feira, 21 de julho de 2015

Carnificina: 35 assassinatos cometidos em Manaus em menos de três dias

As versões apontam a existência de ligações entre os homicídios que seriam atos ou de um grupo de extermínio ou de facções criminosas.

Do G1 AM


operação de segurança reforçada após série de assassinatos resultou na detenção em flagrante de 32 pessoas entre a sexta-feira (17) e a madrugada desta terça (21). A ação da Polícia Militar, intitulada "Operação Presença", realizou abordagens a veículos em todas as zonas da capital. Um levantamento parcial da operação foi divulgado pela PM. Em menos de três dias, 35 homicídios foram registrados na capital. Grande parte dos assassinatos aconteceu nas Zonas Leste e Oeste.
Ao todo, 13,5 mil pessoas foram abordadas. Além das prisões em flagrante, 10 armas de fogo foram apreendidas e 16 veículos roubados foram recuperados. A operação ocorreu desde a sexta-feira (17) até a madrugada de terça-feira (21), em incursões em ruas, becos e vielas de áreas consideradas de alto índice de tráfico de drogas, roubos e homicídios.
Entre os crimes constatados, o Centro de Policiamento Metropolitano (CPM) citou o tráfico de drogas e porte ilegal de arma de fogo como as principais ocorrências durante a operação.
Ocorrências
No Parque Dez de Novembro, na Zona Centro-Sul de Manaus, um homem de 25 anos foi detido por porte ilegal de arma de fogo, nesta segunda-feira (20), por volta de 22h. Com o suspeito, uma arma de fogo PT 840 com numeração raspada e nove munições intactas foram apreendidas. Ele foi encaminhado ao 12º Distrito Integrado de Polícia (DIP) para os procedimentos legais.
No mesmo dia, no bairro Cidade Nova, na Zona Norte, um mototaxista de 22 anos foi preso após ser abordado em uma barreira policial montada na Avenida Camapuã. Conforme a PM, ele teria praticado um roubo horas antes, a um ônibus da linha 624, no bairro Cachoeirinha, Zona Sul.
Durante a abordagem, dois celulares e dois relógios foram encontrados com o suspeito. Entretanto, ele não soube explicar a procedência dos objetos. A polícia informou que o suspeito foi reconhecido por uma vítima. Após a constatação do crime, o homem tentou fugir, mas foi encaminhado ao encaminhado ao 14º DIP.
Por volta das 21h30, dois homens, de 18 e 28 anos foram presos por tráfico de drogas e associação ao tráfico, no bairro Coroado 3, na Zona Leste. O suspeito de 18 anos foi abordado após PMs, que realizavam patrulhamento na área, perceberem a atitude suspeita do rapaz. Após revista, uma pedra grande de oxi foi apreendida com ele, que afirmou ter recebido a substância do homem de 28 anos. A dupla foi conduzida ao 11º DIP.
Ainda no mesmo bairro, um adolescente de 14 anos foi apreendido por tráfico de drogas, por volta das 22h, no beco Sol Poente. Com ele foram apreendidos 15 papelotes de maconha, três porções semelhantes à oxi e um valor de R$ 14 em dinheiro. Ele foi encaminhado à Delegacia Especializada em Apuração de Atos Infracionais (DEHS) para os procedimentos.
Já na madrugada desta segunda-feira (20) um homem de 20 anos também foi detido e autuado por tráfico de entorpecentes. Com ele foram apreendidas 40 porções supostamente de oxi e R$ 90 em dinheiro. A prisão ocorreu no bairro Corado 3, por volta das 2h30.
Por volta das 4h desta terça-feira (21) também foi apreendido por tráfico de drogas um adolescente de 16 anos, no beco Agapanto, bairro Coroado 2, na Zona Leste. 25 porções de substância entorpecentes com aspecto de oxi foram apreendidas com ele, além de R$ 40 em espécie. Ele foi encaminhado a DEAAI.

Mortes

Conforme levantamento feito pelo G1, a maior parte dos homicídios registrados em Manaus em três dias ocorreu nas Zonas Leste e Oeste da capital. Segundo dados da Secretaria de Segurança Pública (SSP-AM), 21 dos 35 homicídios ocorreram nestes dois pontos, sendo 12 na Zona Leste e nove na Oeste. Os bairros com maior número de homicídios foram Santa Etelvina, Zumbi, Tarumã e Compensa. Em cada um destes locais, foram registradas três mortes. (veja mapa abaixo)
O delegado-geral da Polícia Civil, Orlando Amaral, afirmou ao G1, na tarde de segunda-feira (20), que números parciais da investigação indicam que oito vítimas de homicídios registrados têm passagem confirmada pela polícia por crimes de roubo, furto e tráfico de drogas. O delegado não divulgou quem são os mortos que têm ficha na polícia e disse que esse número se refere a investigação dos homicídios ocorridos na madrugada de sábado (18).
Famílias que perderam parentes buscam respostas para a onda de violência que atingiu a capital nos últimos dias.
"Queremos um mundo sem violência", dizia um cartaz exposto em frente à residência de uma das vítimas, no Bairro Compensa 2, na Zona Oeste de Manaus.
"No momento, estamos nos sentindo presos e refugiados - e não merecemos isso", relatou um parente de Júlio César de Oliveira Bentes, de 40 anos, foi assassinado na madrugada do sábado (18).

Investigação

O secretário de Segurança Pública do Amazonas, Sérgio Fontes, disse ao G1, no domingo (19), que policiais militares e civis estão nas ruas da capital para ajudar nas investigações dos homicídios registrados na cidade.
Fontes suspeitam que os homicídios possam ter uma motivação única e disse que a polícia está elaborando um mapa para ajudar na investigação.
O secretário de Segurança Pública também afirmou que não há como saber se os  assassinatos registrados neste domingo têm relação com a série de homicídios ocorrida entre sexta-feira e sábado. "A princípio, não tem nenhuma relação. Não sabemos nem quais dos 21 homicídios [registrados até sábado] estão ligados entre si”, declarou.
Na segunda (20), o procurador-geral de Justiça do Ministério Público do Estado do Amazonas (MPE-AM), Fábio Monteiro disse suspeitar que a série de mortes registradas em Manaus possa ter relação com a existência de um grupo de extermínio. Monteiro considerou a situação "preocupante" e disse que irá se reunir com órgãos de segurança.
O procurador-geral considerou o número de mortes "preocupante e inaceitável". "A situação é grave e absurda. Evidentemente, o Ministério Público estará monitorando para responsabilizar quem tiver que ser responsabilizado. Não interessa se é facção criminosa ou policial militar. O que interessa é que a população não pode ficar sem uma resposta", disse.
Monteiro explicou ainda que o procedimento adotado pelo Ministério Público será reunir as "forças" para apurar os assassinatos.
"Irei acionar o secretário de Segurança e designar promotores de Justiça para acompanhar em conjunto os procedimentos que a própria SSP está tomando. Entendo que é extremamente importante, e todos nós temos a responsabilidade com as políticas de segurança pública", justificou o procurador-geral.

Sérgio Fontes voltou a falar nesta terça-feira sobre a série de homicídios. Em um vídeo divulgado pela SSP-AM na internet, o secretário alertou sobre o que ele considera boatos envolvendo a série de homicídios registrados em Manaus. Na mensagem gravada, Fontes diz para a população desconfiar de qualquer informação repassada via redes sociais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário