Banner

Banner

quarta-feira, 9 de março de 2016

Manifesto de pacificação

Editorial JP, 09 de março
A Nação brasileira despertou, logo após a condução coercitiva do presidente Lula, com os ânimos acirrados e que levou à ocorrência de isoladas batalhas campais entre setores favoráveis ao impeachment ou cassação da presidente Dilma e a militância do PT. Sem contar, evidentemente, que os últimos atos nos palcos político e jurídico do país contribuíram para que hostes do governo e da oposição acirrassem medidas a nível judicial e parlamentar que pretendem forçar um desfecho mais imediato da crise política.
Uma voz, esperamos que não isolada, a do governador Flávio Dino, interviu via twiter, com a autoridade que lhe é consagrada, no sentido de acordar a Nação para que se evite o que ele chama de conflagração da sociedade. Ao se manifestar, o governador disse que “Na política, só o diálogo pode salvar a Nação de momentos ainda piores. Chegamos – alertou – a um impasse em que ninguém sairá “vencedor” na “guerra”.
O manifesto de pacificação ao povo brasileiro, exarado pelo Dr. Flávio Dino não o impediu, no entanto de, como autoridade da Federação, deixar clara sua opinião sobre os fatos, como é salutar à democracia. Em outro trecho afirma: “Em uma conjuntura superaquecida por conta da Lava Jato e outros fatores não há lugar para gradualismos e metas de longo prazo. E acrescenta: “Difícil imaginar que o governo saia do “canto do ringue” sem uma nova política econômica que reative o emprego e esperanças”.
Trata-se exatamente disso, de esperanças que se diluíram a meio caminho do exercício do poder pelo Partido dos Trabalhadores. Esperanças que não serão reconquistadas com o que o governador chama de “Onda de pregações delirantes e boatos sobre intervenção das forças armadas” que, conforme sua opinião, “mostram a gravidade do quadro”. Como diz “Não vale a pena destruir a democracia”.
Diálogo, pacificação das forças políticas para proteger a democracia conquistada a duras penas no Brasil. O governador externa preocupações mais abrangentes, importantes na construção dessa nova política econômica. E ele mesmo se interpreta ao afirmar: “Quando me refiro às elites econômicas, sublinho o papel decisivo dos oligopólios de mídia do Brasil que devem passar a ajudar a estabilidade”.
É preciso atentar para essa manifestação, mormente nesta hora em que o Brasil precisa de todos nós. Constata o governador que “A maioria do povo brasileiro sabe que “luta aberta nas ruas” não interessa ao Brasil. Necessário que os políticos e as elites econômicas reflitam”.

A luta aberta, agora, deve ser para vencer a crise econômica e a crise política. Salvar o Brasil.

Nenhum comentário:

Postar um comentário