Banner

Banner

terça-feira, 12 de abril de 2016

Conversando com os números

Editorial JP, 12 de abril
Conversar com números não é uma tarefa fácil. Quando se trata de pesquisas, então, a conversa é ainda muito mais difícil. Se são pesquisas aferindo vantagens e desvantagens de candidatos em disputa eleitoral, aí já é tarefa para os discípulos de Pitágoras, como o infalível globófilo Oswald de Sousa. Assim mesmo, ousemos rastrear o que revelam as pesquisas para prefeito de São Luís nas eleições municipais de 2016.
O mais triste destino é do PMDB de Roseana Sarney. O partido se enfurna como pérola falsa dentro da ostra. Ostracismo geral, se os dois candidatos postos, Andrea Murad e Fábio Câmara não conseguem atingir aos dois dígitos que colocam qualquer postulante dentro da disputa.
Revise-se, em seguida, as quedas bruscas da deputada Eliziane Gama que perde eleitores mais do que água se perde nas adutoras rompidas do Italuis. Em maio, a deputada alcançava 42,8 % das intenções de voto, contra 13,36 % do prefeito Edivaldo Holanda Júnior. Já em setembro, a candidata do PPS surgia 14 pontos abaixo com 28,7 %, enquanto o prefeito apresentava um crescimento de 7 pontos, atingindo 20,6 % das intenções de votos. E, agora, na pesquisa Escutec, a diferença se reduz ainda mais. Eliziane Gama surge com 21,99 % e Edivaldo Holanda com 16, 3 %. Entenda-se, a diferença favorável à candidata caiu 23 pontos.
Mas quem conversa com números precisa saber ouvir. Eles estão dizendo que, a se manter essa tendência de queda, é provável que a candidata venha a se igualar, muito em breve, aos mesmos dígitos de Fábio Câmara e Andrea Murad.
Quem surpreende são João Castelo e Bira do Pindaré. Nos dois cenários, o ex-prefeito se mantém na casa dos 15 % de intenções de votos, mesmo sem sacramentar sua pré-candidatura ou fazer qualquer movimento eleitoral. Bira do Pindaré porque, sem ter a certeza de que o PSB local avalizará seu nome, surge, também em qualquer cenário, com mais de 8 % das intenções de votos.
Há que calcular também os efeitos sobre o eleitorado das obras de recuperação e pavimentação asfáltica em diversos bairros de São Luís, dentre outras, sem contar uma conquista histórica e ousada do prefeito Edivaldo Holanda Júnior, a licitação do transporte público pela qual o povo ludovicense esperou inutilmente pelo menos meio século e que se concretiza somente agora.

Por outro lado, com o PMDB sem as mínimas condições de dar combate eleitoral à ampla coligação partidária que se forma em torno do prefeito Edivaldo Holanda Júnior, sobrarão somente aliados do governador Flávio Dino, inclusive a própria Eliziane Gama, para o embate de 2016. Feitas as contas e da forma como ela despenca eleitoralmente, além de se mostrar incapaz de solidificar qualquer coligação, o mais provável é que o resultado de 2012 se repita em 2016. Mas que não sirva isso para descanso, quem conversa com números sabe que, segundo Roberto Carlos, às vezes dois mais dois dá cinco. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário