Banner

Banner

quinta-feira, 19 de maio de 2016

Exportação para os maus maranhenses

Com a atitude de defender a federalização do Porto do Itaqui, ultrapassam todas as fronteiras da indecência política.

Editorial JP, 19 de maio

A missão que traz esse editorial há de soar estranha aos ouvidos de muitos maranhenses. Mas antes que nos levem o Porto do Itaqui, por ação, vingança e maldade, devemos pedir a mais imediata exportação dessa súcia de maus maranhenses. Se possível num navio cargueiro, pois são atitudes de quem não tem nenhum compromisso com essa terra. E não precisamos citar nem enumerar quem são esses conterrâneos descompromissados que estão agindo à socapa para tentar tirar do Maranhão a administração de um dos principais portos do país, o Porto do Itaqui.
O comentário que abre o Informe JP no Jornal Pequeno desta quarta-feira - “O Porto do Itaqui é dos Maranhenses”, revela o nível de absurdo desse grupo político agindo contra o estado que, infelizmente, os criou e deles fez arremedos de autoridades. O povo maranhense está pasmo, chocado, enojado e, mais uma vez, convencido do quanto essa gente pode ser perigosa, delituosa, quando se trata de remover do Maranhão os principais avanços econômicos e de progresso.
Com a atitude de defender a federalização do Porto do Itaqui, ultrapassam todas as fronteiras da indecência política. E querem federalizar o Porto, porque, com a presença do governo atual, já não lhes serve mais às sinecuras, já não pode o Porto ser sugado pela glote para alimentar riquezas, privilégios, démarches corruptas de uma meia dúzia de apaniguados serviçais de um grupo político que já fez o que pode e o que não pode contra o Maranhão.
O Porto estava em desgraça até bem pouco tempo. Não rendia, não apresentava lucros, não representava o aporte de subsídios à combalida economia maranhense. E eis que de repente, o porto, visto até 2014 como um dos mais atrasados do Brasil, passou a movimentar 18,6 milhões de toneladas em 2015, 26 % a mais que naquele auspicioso ano da queda do maior império da história do Maranhão. E apresentava, ao final do mesmo ano, um lucro de R$ 68 milhões. O Porto, sob administração da Emap (a Empresa Maranhense de Administração Portuária) serviu, durante muito tempo, a nada mais que uma corrosiva mamata. Somente o corte de bônus ofertados a presidentes, diretores e gerentes, na atual gestão, implicou na economia de R$ 1 milhão e 500 mil.
À evidente perseguição ao governador Flávio Dino e ao Maranhão que derrotou esse império, misturam-se a ganância desenfreada e a ambição política desmedida.
A partir de 2016 o governo Flávio Dino iniciou o Plano de Desenvolvimento do Porto do Itaqui, com o aporte de investimentos públicos e privados da ordem de R$ 1,35 bilhão. Depois de traírem desavergonhadamente o PT e a ex-presidente Dilma Rousseff, esperam os Sarney que o governo Temer coloque em suas mãos um dos maiores complexos portuários do país, após a transformação promovida pelo governo Flávio Dino..

Bom seria se o Porto do Itaqui pudesse servir para exportar daqui para bem longe esses maus maranhenses, estes que se esforçam para prejudicar o Estado desde que isso lhes propicie ganhos financeiros e políticos. Engana-se quem pensa que vai voltar ao poder vendendo o Porto do Itaqui à Federação. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário