Banner

Banner

sexta-feira, 6 de maio de 2016

Os pardais voluntários

Editorial JP, 06 de maio

Houve muito movimento nas ruas deste país nos últimos meses, desde que o jurista Hélio Bicudo e outros pediram o impeachment da preside Dilma Rousseff. No fim, o argumento das pedaladas fiscais não passa de um artifício legal para tirar do poder os gestores do Petrolão, que é a grande mácula do povo brasileiro, este que desde 2013 vai às ruas protestar contra a corrupção. No fim, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, só foi eleito para o cargo em virtude da capacidade de transferir recursos havidos em propinas e favores criminosos a seus correligionários no PMDB e outros partidos.
Nas ruas, os partidários de um e outro grupo político, militantes aquinhoados com cargos públicos, cúmplices destacados para arrebanhar multidões. Mas principalmente nas ruas, os pardais voluntários, a massa informe de eleitores decepcionados e desiludidos com as práticas políticas no Congresso Nacional e no Palácio do Planalto. É a gente de bicos ávidos em busca das sementes da honestidade pública que parecem ter sido engolidas por gaviões famintos e inesperados. De todos os matizes, todos os partidos, todas as instituições.
Nem vermelhos, nem verdes, cinzas ou marrons, sem cor partidária, os pardais voluntários são a grande maioria nas avenidas do Brasil. É a gente que viu o valor da conta de luz ir parar nas nuvens, que enfrenta o desemprego, sujeita a racionamento alimentar, vítima da inflação desenfreada, do sucateamento da saúde pública, porém, mais que tudo, vítima da corrupção.
Os pardais voluntários mal entendem os trâmites legais e legislativos da luta pelo poder. Sabem só que também o presidente do Senado, Renan Calheiros e mais cerca de duzentos parlamentares são processados na Justiça por corrupção, que o Procurador Geral da República denunciou Lula, Dilma e Aécio Neves, que o provável futuro presidente Michel Temer forma seus Ministério com as presenças de figuras como Romero Jucá que também enfiaram as mãos na borra de petróleo consumida na Lava Jato.
Tudo o que procuram, inutilmente, os pardais voluntários, é um grão que seja de sinceridade política, de amor real por este povo e por este país. Não acham. Nos ninhos desordenados do poder, entretanto, as canções dos pardais voluntários é o que menos importa. Já nem se dispõem a construir ninhos de esperança no edifício da política, entre as árvores e arbustos da democracia vilipendiada ao ponto de lhes esmaecer a coragem de voar. Tudo lhes foi roubado, inclusive a coragem e a determinação e querem também levar agora dignidade que sobrou.

Os pardais voluntários se reproduziram aos milhões, cantando nas ruas e avenidas deste país. Estão calando. Estão se recolhendo. Estão achando que é um esforço inútil lutar contra os gaviões.

Nenhum comentário:

Postar um comentário