Banner

Banner

quarta-feira, 8 de junho de 2016

A República desaba

Editorial JP, 08 de junho

Não há inocentes. Todo o modelo político brasileiro, especialmente o financiamento de campanhas políticas, precisa ser revisto imediatamente. Ultrajaram as instituições públicas. Todas elas: A Presidência da República, o Senado Federal, a Câmara Federal. O povo brasileiro assiste perplexo à primeira vez que é pedida a prisão de um ex-presidente da República em toda sua História, a primeira vez que é pedida a prisão de um presidente do Senado no exercício do cargo.
O ofício político se desmoraliza à proporção das máfias no Brasil. Organizações criminosas agindo para todo lado e em todos os sentidos. Do mais alto escalão à mais minúscula Prefeitura. Dilma Rousseff, Luis Inácio Lula da Silva, José Sarney, Renan Calheiros, Eduardo Cunha, Edison Lobão, Aécio Neves, Romero Jucá e os mais poderosos empresários do país organizados para assaltar o povo brasileiro.
A linha sucessória do país pode ir parar toda na cadeia. Por roubo. E dividindo as celas com ex-presidentes da República. É lamentável, vergonhoso, quase inacreditável. O Brasil vai precisar de muita serenidade e determinação para superar esta que é uma das fases mais caóticas de sua História, para sair de tão profundo abismo de desonestidades. Nem podem mais para alegar que o teor das delações é coisa de calhordas e criminosos negociando a própria liberdade. Dizer isso é querer zombar da inteligência do povo brasileiro. Eram organizações criminosas ao modelo das árvores genealógicas da máfia, várias delas, com um Dom, subchefes, consiglieres, soldados e associados, todos chupando até o talo o tutano da miséria brasileira.
Como disse o New York Times, se quiser se firmar como governante Michel Temer tem que acabar com essa excrescência da imunidade parlamentar. Mas não é só ele. O que sobrou de honesto na política brasileira precisa por fim ao foro privilegiado, aos processos sob segredo de justiça, à indicação de ministros dos tribunais superiores por políticos e nomeados por presidentes da República. Como vão fazer isso? Que se virem, antes que a revolta do povo brasileiro ganhe proporções sangrentas, antes que a extrema direita se aproveite para implantar mais uma ditadura no país, antes que as baionetas encontrem novamente motivos para governar.

Não é hora de ter lado. O lado de todo mundo deve ser o lado do povo brasileiro. A disputa pelo poder central neste país é, resumidamente, uma guerra de gangues. Se é duro ter que dizer isso, mais duro ainda é saber que é essa a única verdade. A República apodreceu, está desabando em nossas cabeças. Precisamos juntar seus pedaços e salvar o Brasil.

Nenhum comentário:

Postar um comentário