Banner

Banner

segunda-feira, 25 de julho de 2016

Professores do Maranhão têm a maior remuneração do Nordeste



Os professores da Rede Estadual de Ensino do Maranhão, com licenciatura plena, em início de carreira e jornada semanal de 40 horas, recebem a maior remuneração dentre os estados do nordeste, conforme tabela salarial do Magistério da Educação Básica, divulgada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE/2016). Com um salário mensal de R$ 4.985,44, o estado está bem à frente do segundo colocado, que é Sergipe, com R$ 2.989,64, e da Bahia, que paga R$ 2.597,52.
Em relação aos valores dos vencimentos básicos, levantados pela CNTE, dentre os estados nordestinos, o estado está na segunda posição, com o vencimento de R$ 2.443,80, abaixo apenas de Alagoas que paga aos professores o valor de R$ 2.837,47, todavia, sem nenhuma gratificação aos seus docentes.
No Maranhão, a remuneração mensal dos professores é composta do vencimento acrescido da Gratificação de Atividade do Magistério (GAM), que corresponde a 75%, para docentes com nível médio, e 104% para nível superior, assegurada em Lei pelo Estatuto do Educador e contabilizada para aposentadoria.
No cenário nacional, o estado também está no topo da lista na segunda posição entre as redes estaduais que pagam os melhores salários do país. Com valor de R$ 4.985,44 para uma carga de 40h, o estado fica atrás apenas do Distrito Federal, como aponta a tabela salarial da CNTE. Redes como as dos estados do Rio de Janeiro e São Paulo, por exemplo, têm remuneração de R$ 3.184,72 e R$ 2.415,89, respectivamente.
“Investir na valorização do professor é fundamental para a garantia de educação pública de qualidade e o governador Flávio Dino não tem medido esforços para beneficiar, dentro do possível, a categoria. São ações que representam ganhos nos salários e atendimentos de demandas históricas como as progressões, ampliação da jornada, entre outras”, destacou o secretário de Estado da Educação, Felipe Camarão.
Em 18 meses de gestão, o governo do Maranhão efetivou várias ações que resultaram em ganhos salariais concretos e históricos para os profissionais da educação. Foi concedido reajuste salarial de 13,01% a todas as referências funcionais do magistério, cobrindo quase integralmente a inflação do período, beneficiando mais de 41 mil professores, representando um impacto anual de R$ 200 milhões, além de reajuste de 15% no salário dos professores contratados.

A promoção na carreira de mais de 17,2 mil professores, beneficiados com titulação, promoções, gratificação de estímulo ou progressão também contabilizaram ganhos para a categoria, que há 20 anos aguardava pela implementação destes benefícios, que, a partir de agora, será concedido de forma automática.

Nenhum comentário:

Postar um comentário