Banner

Banner

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Envolvidos no assassinato do advogado Brunno Matos vão a julgamento no dia 2 de fevereiro de 2017


João José, Diego Polary e Humberto Marão vão ser julgados pelo assassinato 
do advogado Brunno Matos

Os três envolvidos no assassinato do advogado Brunno Matos irão a Júri Popular no dia 02 de fevereiro de 2017. Eles foram pronunciados a júri pela juíza Samira Barros Heluy no dia 17 de agosto de 2015.

Os três envolvidos são Carlos Humberto Marão Filho, que será julgado pela suposta participação no crime previsto no art. 121, caput, do CP, na forma do art. 29 do CP, em relação à vítima Brunno Matos; João José Nascimento Gomes, pela suposta prática de crime previsto no art. 121, caput, do CP e art.121, caput, c/c art. 14, II, do CP e art. 69 do CP, em relação às vítimas Brunno Matos e Kelvin Chiang, respectivamente; e Diego Henrique Marão Polary pela suposta prática de crime previsto no art. 121, caput, do CP e art.121, caput, c/c art. 14, II, do CP e art. 69 do CP, em relação às vítimas Brunno Matos e Alexandre Matos Soares, respectivamente.
 
                                                                                            Brunno Matos         
Ao saber da confirmação da realização do julgamento no dia 2 de fevereiro de 2017, o pai do advogado Brunno Matos e de Alexandre Matos, Rubem Soares, manifestou seu contentamento, pois aguardava ansiosamente por esse momento, esperando que os envolvidos sejam condenados à prisão.

Em sua página no facebook, Rubem Soares escreveu: “Amigos chegou a hora! Recebemos a informação que o julgamento dos réus do caso do meu filho Brunno Matos, já tem data marcada: Será dia 02 de fevereiro de 2017. Esperamos que o verdadeiro assassino seja condenado, para que não seja mais um caso de impunidade em nosso país, e que possamos dar um final em todo esse processo, o que nos aliviará um pouco de todo esse sofrimento. Por favor, compartilhem.”

“Minha expectativa é de que todos serão condenados, com pena maior para o Diego, que foi realmente quem assassinou o Brunno e tentou assassinar o Alexandre (homicídio e tentativa de homicídio). O vigia por tentativa de homicídio contra o Kelvin Chiang, e o Marão por ser o pivô de toda a confusão”, disse Rubem em contato com o blog.

Ele acrescenta que existe um áudio que foi entregue ao poder judiciário, onde o Marão confirma que quem matou o Brunno foi seu sobrinho Diego. “Essa afirmativa também foi passada ainda na viatura pelo Marão ao agente Luis Carlos”, acrescenta. 

Convém destacar trecho, transcrito dos autos, onde Humberto Marão aponta o sobrinho como autor das facadas contra as vítimas: Entrementes, muito embora não vislumbre a necessidade de degravação e redução a termo pleiteada pela OAB-MA, diante do dever de cautela que norteia a atividade judicante, não posso desconsiderar que a mídia trazida aos autos, pode ter repercussão na esfera administrativo-disciplinar. Veja-se. Comparando-se o depoimento do acusado Carlos Humberto Marão Filho, constante da mídia colacionada à fl.425, com o termo de reinquirição constante às fls.41-43, infere-se que uma das declarações dadas pelo acusado em comento em relação ao acusado Diego Henrique Marão Polary disse: - "Como eu estou lhe falando, na hora eu também não olhei. Certo? Mas, "deferiu" isso aí; a facada nos meninos, em legítima defesa, porque eu estava apanhando, eu estava apanhando!" (28min:50seg. a 29min:09seg) - não fora transcrita para o termo de reinquirição em testilha (fls.41-43).

Nenhum comentário:

Postar um comentário