Banner

Banner

sábado, 24 de dezembro de 2016

Menina pede em carta ao Papai Noel que irmã não vá para adoção

Do G1 

Luana e a mãe Sílvia Sampaio da Silva, que está grávida de oito 
meses (Foto: Reprodução/TV TEM)
Uma menina de 12 anos pediu em carta ao Papai Noel que a irmã, que ainda vai nascer, não fosse doada. A mãe dela, grávida de oito meses, comentou que iria ter de colocar a filha para adoção por não ter condições financeiras de criá-la.
A saber do desabafo da mãe, Luana Sampaio da Silva decidiu fazer o pedido especial na tradicional cartinha ao Papai Noel. "Escrevi pedindo ajuda para minha mãe não doar a minha irmã."
Luana mora com a mãe, a diarista Sílvia Sampaio da Silva, em Jales (SP). Ela mantém as despesas da casa e o aluguel com o salário de diarista. Mãe solteira, em um momento de desespero, chegou a pensar em deixar a criança que vai nascer para adoção. "É complicado, a gente fica com a cabeça... Fiquei com medo de não dar conta de sustentar a casa sozinha", conta.
Ela disse que não esperava a cartinha da Luana, nem que ela pudesse mudar o desfecho dessa história. O pedido da menina foi parar nas mãos de um radialista da cidade, Jales, Adalberto Mariano, que divulgou o caso em grupos do WhatsApp e redes sociais. "As pessoas ligam a todo momento querendo ajudar. Ganhamos berço, carrinho, banheira, fraldas e roupinhas", comemora.


Desde que a carta da Luana foi divulgada na internet, a família tem sido acolhida com carinho e solidariedade. Várias pessoas da cidade têm ido à casa delas para fazer doações de todos os tipos. O auxiliar administrativo Edvan Fernandes levou fraldas. "Todo mundo se comoveu com a carta da menina e pude colaborar com um pouco."
A diretora de vendas Vanessa Souza levou chocolates e uma cesta básica. "No mundo de hoje as crianças querem tecnologia, tablet, computador, e ela pensou na família dela, pensou na mãe, que está grávida, e pediu algo diferente. Foi o diferencial dela. Acho que foi muito bonita a atitude dela."

Luana agradece as doações e espera ansiosa pela irmã. "Vou poder dividir o quarto e brincar com ela. Obrigada." Com tanto apoio, Sílvia se sente mais preparada para receber e cuidar da criança que vai chegar. "Agradeço todo mundo, porque nem esperava, de coração mesmo."

Nenhum comentário:

Postar um comentário