Banner

Banner

sábado, 17 de dezembro de 2016

PRAZERES

JM Cunha Santos


Aquele homem me juntou do chão
e, quando isso,
eu escolhi continuar caindo

Aquele homem me estendeu a mão
e, quando isso,
eu preferi rasgar as luvas e quebrar os dedos

Aquele homem me mostrou caminhos
e, quando isso,
eu quis vagar sem rumo nos becos da morte

Aquele homem me deu muitas respostas
e, quando isso,
eu decidi ignorar todas as perguntas

Aquele homem iluminou as salas
e, quando isso,
eu preferi fumar tristezas num canto escuro

Aquele homem me levou à casa de Deus
e, quando isso,
eu escolhi flertar em lares de demônios

Aquele homem me carregou no peito
e, quando isso,
eu preferi ser meu próprio peso eterno

Aquele homem me disse como seria tudo
e, quando isso,
eu duvidei e tudo fiz para ser quase nada

Agora ele se vai, nos braços das nuvens,
e eu fico aqui, lendo a placa

que proíbe que eu o acompanhe até portões dos céus

Nenhum comentário:

Postar um comentário