Banner

Banner

sábado, 28 de janeiro de 2017

Em Timon, mais de 25 mil crianças são amparadas pelo Programa ‘Bolsa Escola’



Timon é a terceira cidade do estado com maior cobertura do Bolsa Escola, programa de transferência de renda a famílias carentes para compra de material escolar. No município, uma média de 25 mil crianças são amparadas pelo programa, aproximadamente 15% da população, composta por 166.295 habitantes, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
Promovido pelo Governo do Maranhão, por meio da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (Sedes), o Bolsa Escola só tem presença maior na capital São Luís e em Caxias, município vizinho a Timon, ambos localizados no Leste Maranhense.
Voltado para crianças e jovens entre 4 a 17 anos matriculadas na rede pública, não há limite de alunos beneficiados em uma mesma família.
Para promoção do Bolsa Escola em Timon, foram injetados mais de R$ 1,2 milhão, o que beneficiou comércios credenciados ao programa, como a Papelaria Timonense. Para a gerente, Ana Márcia Sousa, o benefício veio em boa hora, auxiliando a loja a enfrentar a crise econômica que afetou todo o Brasil.
“O programa tem contribuído bastante porque, nesses dois últimos anos, a gente sofreu uma queda nas vendas escolares. Com essa crise, muitos pais tiraram os filhos da escola particular, o que diminuiu a venda nesse seguimento. Com o cartão, deu uma aquecida porque, aqueles pais da escola pública, que não tinham uma renda disponível para utilizar, agora tem esse recurso. Eles estão vindo, estão comprando e para a gente foi muito bom, sem dúvida”, afirmou.
Segundo Ana Márcia, o Bolsa Escola já representa 70% do que é comercializado na livraria, possibilitando a inserção de um novo público à clientela do estabelecimento. “Antes a gente tinha esse público bem mais reduzido. Eram pais que faziam aquele esforço para comprar aqui e, agora, não. Com esse valor, eles vêm com os filhos, escolhem o que querem e saem satisfeitos com o material escolar adquirido”, disse a gerente.
Reajuste
Para o ano de 2017, segunda fase do Bolsa Escola, o Governo do Estado reajustou o benefício, de R$ 46 para R$ 51 por estudante. De acordo com a gerente Ana Márcia, o aumento foi satisfatório, tanto para os beneficiários quanto para os comerciantes habilitados ao programa social.
“Estão todos satisfeitos com o reajuste porque, com relação ao material em si, não houve tanta mudança no preço. Então, para eles serviu para adquirir algo mais. Aumentou o poder de compra porque o aumento no preço do material não foi tão grande”, concluiu.
De acordo com Leide Silveira Lima, proprietária da Sabino Variedades, o incremento no benefício ajudou a manter as vendas deste ano aquecidas. “As famílias gostaram do reajuste e eu, particularmente, também. Para a gente também melhora, mas para os pais, principalmente. Tem pai que nem sabe, quando a gente consulta o valor, eles ficam bem satisfeitos”, relatou a lojista, para quem o Bolsa Escola significou 50% do lucro, somente no ano passado.
“Graças a Deus melhoraram as vendas, estão muito boas. Está bom para a mãe dos alunos e para a gente também, que é comerciante. Foi bom o aumento, é uma ajuda muito boa, tanto para o comerciante quanto para as mães”, falou Maria de Lourdes Alencar Sousa, proprietária da Papelaria D Portelada, outro estabelecimento credenciado ao Bolsa Escola, localizado no município de Timon.
Bolsa Escola no Maranhão

O Bolsa Escola contempla, atualmente, 1 milhão e 110 mil beneficiários em todo o estado. O montante de alunos assistidos representa investimentos totais de R$ 59,2 milhões, repassados à população pelo Governo do Estado neste início de 2017. Em relação aos pontos comerciais habilitados, são 1.413 comércios espalhados no Maranhão, 69% a mais que em 2016.

Nenhum comentário:

Postar um comentário