Banner

Banner

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Casa de comilança de lagostas e caviar vai ser Casa de Apoio a Crianças no governo Flávio Dino

JM Cunha Santos


Essa é a grande diferença. O governo Flávio Dino tem uma finalidade social e de proteção aos mais fracos e menos assistidos. A Casa de Veraneio do Governo do Estado, localizada na Praia de São Marcos, que até o ano de 2014 servia para pomposas festas ornamentadas por decorações que custam os olhos da cara, vai ser, agora, Casa de Apoio ao Projeto Ninar, uma extensão do atendimento realizado no Centro de Referência em Neurodesenvolvimento, Assistência e Reabilitação de Crianças.
Era ali que no governo Roseana Sarney aconteciam as comilanças de lagostas norueguesas gigantes, camarões gratinados, filés de cordeiros e gados de raças nobres. Ali também desembarcavam partidas de caviar russo, champanhes ao custo de 10 salários mínimos a garrafa e os melhores vinhos da nobreza europeia para apascentar e enobrecer estômagos fragilizados pelas noites intermináveis de carteado, ao preço de R$ 3 milhões anuais do dinheiro do povo, enquanto a maioria dos maranhenses gritava desesperada por justiça social.
Ali desfilaram os vestidos de grife, os sapatos de cromo alemão, ternos Ives Saint Loran’t de comensais que passavam noites no fausto, vivendo o glamour de noitadas parisienses, enquanto os filhos do Maranhão arrastavam as chinelas por quilômetros e quilômetros na direção de escolas de taipa, de palha, de pau a pique e galpões.
Os nobres convivas do desperdício governamental, ao tempo em que consumiam “verduritas confitadas al comino foie-gras”, cozidas nos peitos de faisões migrados, mal atinavam que a imprensa nacional denunciava que no Maranhão mais de 70 % de seu povo vivia abaixo da linha de pobreza e o estado envergava um dos menores IDH do mundo. E era também ali, em meio a esse estrago de vermutes do pecado, que os glutões muito planejavam e combinavam sobre datas de faturas e de superfaturamentos. Ao sabor gorduroso da inapetência administrativa governamental.
A Casa de Veraneios agora vai ser uma Casa de Crianças, não mais uma casa de banquetes onde provavelmente o que comemoravam era a miséria da população e o enriquecimento ilícito de meia dúzia de apaniguados do poder.

Isso, como quase tudo no Maranhão, mudou para muito melhor. Simples assim; só não vê quem não quer.         

Nenhum comentário:

Postar um comentário