Banner

Banner

sexta-feira, 17 de março de 2017

Frigoríficos aproveitavam carne podre para comercialização

A investigação da Polícia Federal apontou que fiscais permitiam que alimentos impróprios para consumo circulassem no mercado interno e servissem, inclusive, como merenda escolar. Uma das empresas usava ácido ascórbico para maquiar os produtos.
CBN
A Polícia Federal descobriu que as empresas JBS, BRF Brasil e Seara, investigadas na operação Carne Fraca, aproveitavam carnes impróprias para consumo para comercialização. Uma das empresas usava ácido ascórbico para maquiar os produtos podres.
Foram alvos de mandados de prisão preventiva o gerente de relações institucionais da BRF, Roney Nogueira dos Santos, e o diretor da BRF para o Centro-Oeste, André Baldissera.
A PF também cumpriu mandados de busca na sede do Ministério de Pesca e Agricultura em Brasília. Os servidores atuavam para facilitar a produção de alimentos adulterados, emitindo certificados sanitários sem qualquer fiscalização.
Ao todo, foram expedidos 309 mandados judiciais, entre eles, 27 de prisão preventiva, 11 de prisão temporária e 77 de condução coercitiva.
A operação Carne Fraca tem o objetivo de desarticular um grupo liderado por fiscais agropecuários federais e empresários do agronegócio, que apura o envolvimento de fiscais num esquema de liberação de licenças e fiscalização irregular de frigoríficos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário