Banner

Banner

terça-feira, 28 de março de 2017

PGR investiga dois saques feitos por Renan em 2012 e 2014 que somam R$ 300 mil

Por Mariana Oliveira e Fabiano Costa, G1, Brasília


A Procuradoria Geral da República (PGR) investiga dois saques feitos pelo líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL), que somaram R$ 300 mil. Um dos saques foi feito em dezembro de 2012 e o outro em dezembro de 2014.
Em uma das transações, o peemedebista sacou R$ 200 mil, de uma vez só, em uma agência do Banco do Brasil em Maceió. Na outra, ele pegou na boca do caixa R$ 100 mil em outra agência do BB, em Brasília.
Os dois saques foram relatados ao Banco Central pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). As informações fazem parte de um dos nove inquéritos da Operação Lava Jato que Renan é alvo no Supremo Tribunal Federal (STF).
Nesta investigação, a PGR apura se o senador do PMDB e o deputado federal Aníbal Gomes (PMDB-CE) receberam propina por meio de doações eleitorais para influenciar na contratação da empresa Serveng Civilsan pela Petrobras.
Em nota enviada pela assessoria, Renan Calheiros disse que suas contas são auditadas desde 2007 e nenhuma irregularidade foi encontrada até o momento. Ele também criticou vazamentos que, segundo ele, tentam "dar ar de denúncia" a saques legais feitos em contas pessoais (leia a íntegra da nota ao final desta reportagem.
Renan e Aníbal Gomes foram denunciados ao STF, em dezembro, por conta da suspeita de que cometeram lavagem de dinheiro e corrupção passiva para beneficiar a fornecedora da Petrobras.
O diretor da Serveng Civilsan Paulo Twiaschor também foi denunciado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, por corrupção ativa e lavagem de dinheiro.
Aníbal Gomes tem negado as irregularidades. Já a fornecedora da Petrobras disse, à época da denúncia, que recebeu com "indignação" a denúncia contra um de seus executivos.
Saques
Segundo o relatório da Lava Jato elaborado com informações do Coaf, Renan Calheiros sacou R$ 100 mil em espécie no dia 27 de dezembro de 2012. A transação bancária ocorreu em uma agência do Banco do Brasil na capital federal.
A PGR especificou que a conta da qual foi sacado o dinheiro era de titularidade do próprio Renan.
Dois anos depois, uma outra operação do senador do PMDB alertou mais uma vez o sistema do Coaf. Em 30 de dezembro de 2014, o parlamentar sacou, em uma agência do Banco do Brasil, em Maceió, R$ 200 mil.
O relatório da Lava Jato ressalta que, às 10h45 daquele dia, o dinheiro foi transferido pela Agropecuária Alagoas Ltda para a conta corrente de Renan Calheiros. O peemedebista é o dono da agropecuária.
Ainda de acordo com a PGR, Renan sacou integralmente o valor da conta corrente às 15h05.
Nota
Leia a nota enviada por Renan Calheiros:

Minhas contas são auditadas pela Receita desde 2007 e nunca foi encontrada qualquer irregularidade. Simplesmente porque não há nenhum centavo em minhas contas que não tenha origem lícita. Crime são esses vazamentos seletivos de dados sigilosos, que tentam dar ar de denúncia até mesmo para saques legais em minhas contas pessoais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário