Banner

Banner

domingo, 10 de abril de 2016

Nove delatores da Lava Jato já citaram Lobão por recebimento de propina

O senador maranhense já foi mencionado pelos executivos de empreiteiras Otávio de Azevedo, Flávio Barra, Dalton Avancini, Luís Carlos Martins, Ricardo Pessoa e Walmir Pinheiro, além de Paulo Roberto Costa (ex-diretor da Petrobras), Delcídio do Amaral (senador) e Alberto Youssef (doleiro).

Por Oswaldo Viviani


Com a divulgação, na quinta-feira (7), de novas informações sobre o conteúdo das delações de Otávio Marques de Azevedo, ex-presidente da empreiteira Andrade Gutierrez e Flávio David Barra, ex-presidente global da AG Energia (do grupo Andrade Gutierrez), já são nove os delatores da Operação Lava Jato que citam o senador maranhense Edison Lobão (ex-ministro de Minas e Energias dos governos Lula e Dilma) como recebedor de propinas de empreiteiras tanto para o seu partido, o PMDB, como para si mesmo.
Além de Azevedo e Barra, já envolveram o ex-ministro no “propinoduto” investigado na Lava Jato: Dalton Avancini (ex-presidente da empreiteira Camargo Correa), Luis Carlos Martins (ex-diretor de energia da Camargo Correa), Ricardo Pessoa (dono da construtora UTC), Walmir Pinheiro Santana (ex-diretor financeiro da UTC), Paulo Roberto Costa (ex-diretor de abastecimento da Petrobras), Delcídio do Amaral (senador, sem partido, ex-PT) e Alberto Youssef (doleiro e personagem central da investigação da Polícia Federal e do Ministério Púbico Federal).
De acordo com a delação de Otávio Azevedo e Flávio Barra, o governo Dilma Rousseff atuou diretamente, por meio do então ministro Lobão, no leilão da usina hidrelétrica de Belo Monte, construída na Bacia do rio Xingu, perto do município paranaense de Altamira. O leilão aconteceu em 20 de abril de 2010.  Segundo a delação, Lobão se reuniu com as empresas para fazer um acerto sobre a concorrência, e deu orientações sobre a disputa para que fosse passada à opinião pública a ideia de que haveria uma concorrência “de verdade na obra”. Otávio de Azevedo disse ainda que foi orientado por Lobão para reunir as empreiteiras Odebrecht e Galvão Engenharia, que deveriam dar, juntas, 1 por cento do valor total da obra para o PT e para o PMDB, ou seja, R$ 150 milhões ( R$ 75 milhões para cada partido).
Os dois delatores disseram que João Vaccari Neto (ex-tesoureiro do PT) era o interlocutor petista para tratar desse assunto, enquanto no PMDB esse papel cabia a Edison Lobão.
De acordo com Otávio Azevedo e Flávio Barra, Lobão pediu e recebeu R$ 600 mil em dinheiro vivo em 2011. Os recursos teriam sido entregues para um de seus filhos e abatidos na parcela destinada ao PMDB.

(Leia mais no Jornal Pequeno).

Nenhum comentário:

Postar um comentário