segunda-feira, 10 de maio de 2021

No Senado, governador Flávio Dino participa de debate sobre dificuldades na pandemia


Foto: Karlos Geromy

O governador Flávio Dino participou de debate virtual da Comissão Temporária da Covid-19 do Senado Federal, que discutiu as dificuldades enfrentadas pelos estados na pandemia. O evento, realizado na manhã desta segunda-feira (10), tratou ainda do estágio da pandemia, progresso do cronograma de vacinação e compra de vacinas de maneira descentralizada por estados e municípios.

Flávio Dino iniciou sua fala destacando três pontos que considera essenciais no que refere à pandemia no Brasil. Primeiro, citou a assistência hospitalar. “Tivemos uma diminuição da demanda sobre o sistema hospitalar”, divulgou o governador. O Maranhão chegou à ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) em 95% e agora está em 67%; os leitos clínicos, que pontuaram 90%, estão atualmente em média de 46%. “Verificamos no Maranhão, queda substancial da ocupação hospitalar e, assim, pudemos voltar a realizar cirurgias que estavam suspensas”, explica Dino, citando as cirurgias ortopédicas que agora serão retomadas.

O governador pontuou o “exaurimento dos recursos financeiros dos estados e municípios”. Antes da pandemia, a rede hospitalar custava R$ 170 milhões por mês e subiu para R$ 230 milhões. “Ampliamos leitos e aumentos as equipes para atendimento dos casos de Covid-19, o que impacta nos custos”, ressalta. Dino frisou que o momento é de menor tensão, mas não deve levar ao relaxamento das normas de combate à doença.

Em segundo lugar, prevenção e medidas não-farmacológicas. “Esta, desde o início, é a principal dificuldade, pela distensão política que foi causada no país. Destaco a necessidade de que, juntos, possamos sublinhar que, mesmo sem medidas restritivas exacerbadas, tenhamos o distanciamento social e consigamos manter uma atitude vigilante”, aponta Flávio Dino, citando atitudes de representantes do governo federal, que põem em risco essa manutenção e incitam negativamente a população.

Em terceiro, Flávio Dino tratou da vacina e destacou as dificuldades progressivas na produção de vacinas no Brasil. “Produção baixa, falta de insumos e nosso país está abaixo de praticamente todos da Europa na vacinação”, acrescentou. O governador ressaltou que é preciso debater a manutenção da diplomacia com países que produzem vacinas e insumos, que pode impactar no ritmo de vacinação no Brasil; e observar a legislação que permite estados e municípios na compra de vacinas.

O governador lembrou que, até o momento, espera-se avaliação da Anvisa sobre solicitação dos governadores, cujo processo se encontra no Supremo Tribunal Federal (STF). “Este é o panorama da vacinação, que está em um ritmo muito baixo, aquém daquilo que o país precisa. Estamos num momento de melhor controle do coronavírus, mas conseguimos ainda ver o que desejamos: a erradicação da doença, que é o escopo de qualquer campanha séria na vacinação”, concluiu Flávio Dino.

Participaram do evento, os governadores Wellington Dias (Piauí) e Reinaldo Azambuja (Mato Grosso do Sul); Gean Loureiro, prefeito de Florianópolis e presidente do Consórcio Nacional de Vacinas das Cidades Brasileiras.

sábado, 8 de maio de 2021

Governo do Maranhão avança na imunização de gestantes, com agenda especial para mães


Neste sábado (8), das 8h às 16h; e domingo (9), das 8h às 12h, no IEMA Cintra, no Anil, haverá vacinação especialmente para grávidas com comorbidades e puérperas – até 40 dias após o parto – em comemoração ao Dia das Mães, comemorado no domingo. A medida foi anunciada pelo governador Flávio Dino, em coletiva à imprensa, nesta sexta-feira (7), no Palácio dos Leões. Ele também pontuou o cenário da Covid-19 no estado e reforçou medidas da gestão estadual para combater à doença.

Flávio Dino ressaltou que prossegue o calendário de vacinação deste e dos demais públicos prioritários, em todo o Maranhão, conforme o Plano Nacional de Imunização. “Nosso trabalho sempre tem sido alinhado com o Plano Nacional de Imunização e todas as instâncias normativas do processo. São estes que determinam os públicos prioritários e estamos seguindo. Sou solidário com todos que estão demandando mais vacinas, e estamos lutando por isso. E a todas as mães, desejo que tenham um dia fraterno, de carinho e amor”, enfatizou Flávio Dino.

O governador informou, ainda, que tramita no Superior Tribunal Federal (STF) petição sobre compra da Sputnik; e reforçou apoio à suspensão temporária de patentes das vacinas contra Covid-19. Dino frisou que esta “é a melhor forma de ampliar a oferta das vacinas”. No cenário da doença, o Maranhão apresenta ciclo de crescimento dos casos ativos; queda dos óbitos, sendo o estado do país com menor número de mortes pela doença; e queda nas internações, tanto na rede de atendimento pública, quanto privada.

Se mantém a redução na ocupação de leitos clínicos (de 67% para 49%) e de Unidade de Terapia Intensiva – UTI (de 81% para 69%). “Até aqui, garantimos assistência hospitalar. Não houve nenhum paciente sendo transferido do Maranhão para outros estados e continuamos investindo para que isso prossiga”, afirmou o governador. 

Até o momento, o Maranhão recebeu 2,01 milhões de doses de vacinas e 159 cidades apresentam índice de mais de 80% de aplicação. Na última semana, 153 municípios tinham alcançado esse índice. Na educação, somam mais de 60% dos profissionais já imunizados no estado. Segue a vacinação de educadores e servidores na faixa dos 35 anos.

Novas medidas

O governador anunciou liberação de eventos com até 50 pessoas, a partir do dia 10 de maio; e com 100 pessoas, a partir do dia 17. Música ao vivo estará permitida a partir do dia 15. As demais medidas restritivas em vigor foram ampliadas e prosseguem até dia 24 de maio, para as cidades da Região Metropolitana de São Luís, sempre com 50% da capacidade de pessoas. 

Dessa forma, comércio e indústria, funcionam das 9h às 21h; supermercados das 6h às 0h; bares e restaurantes até às 23h; escolas estaduais na modalidade on-line e as privadas a critério da instituição; nos setores público e privado, pessoas do grupo de risco devem ser afastadas do trabalho. Cinemas e teatros não foram inclusos, por se tratar de ambientes fechados e de longa permanência. “Vamos editar normas para este segmento, posteriormente”, informou Flávio Dino.

“Adotamos regime um pouco mais flexível, sempre com senso de responsabilidade, para que possamos ter o máximo quanto possível a normalidade, sem por em risco a saúde e esforços sanitários que temos feito”, avaliou. 

Medidas sociais

Serviços de saúde envolvendo itens de combate ao coronavírus foram isentados do pagamento de Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS), pelo Governo do Estado. Estão incluídos nesse benefício operações com vacinas e insumos destinados à produção de vacinas; para elmos (espécie de capacete de respiração) e oxigênio medicinal; e em compras públicas de kits de testes e respiradores.

Pagamentos dos auxílios gás e combustível iniciam nos próximos dias; estão mantidos os sorteios do Minha Casa Melhor, com apoio de R$ 600 para compra de itens domésticos a famílias de baixa renda; distribuição de máscaras; e as ações do programa Comida na Mesa, com a distribuição de cestas de alimentos; além da venda de jantar por apenas R$ 1 nos 55 Restaurantes Populares.

quinta-feira, 6 de maio de 2021

Maranhão é destaque nacional como estado mais adiantado na vacinação contra Covid-19 para profissionais da Educação


 

Reportagem publicada nesta quarta-feira (5), em O Estado de São Paulo, apontou que o Maranhão, junto com o Espírito Santo, “estão mais adiantados na aplicação de doses em trabalhadores da Educação”. Assinada pela jornalista Renata Cafardo, a matéria traz um panorama da vacinação dos profissionais no País, destacando a ritmo de aplicação da vacina por idade. 

De acordo com a reportagem, “Espírito Santo e Maranhão e ainda capitais como Recife e Salvador já imunizaram docentes com 40 anos e pretendem terminar as outras idades ainda em maio”, aponta. Em outro trecho destaca a quantidade de doses aplicadas em todo o território maranhense que, até terça-feira (4), chegou a quase 46 mil profissionais da Educação imunizados, incluindo o ensino básico e superior. 

O levantamento publicado em O Estadão também mencionou que em cidades como São Luís, a vacinação já alcança profissionais a partir de 40 anos, conforme dados apurados. Contudo, o secretário de Estado da Educação, Felipe Camarão, anunciou que, nesta quarta-feira (5), já podem vacinar na capital maranhense trabalhadores com 35 anos ou mais. Outros municípios citados na matéria são Bacabal, que vacina profissionais com 30 anos ou mais, e Caxias, que está imunizando todas as idades.

A vacinação dos profissionais da Educação no Maranhão, contra a Covid-19, teve início no dia de 20 de abril, coordenada pelo Governo do Estado, em uma ação conjunta das secretarias de Educação (Seduc) e da Saúde (SES), em parceria com os municípios. 

No estado, a partir de deliberação na Comissão Intergestores Bipartite (CIB), foi acordado que, nos municípios com mais de 100 mil habitantes, a Secretaria de Estado da Saúde (SES) realiza a vacinação dos profissionais da rede estadual e federal; e as secretarias municipais, os profissionais das escolas da rede privada e rede municipal.

terça-feira, 4 de maio de 2021

Carlos Brandão recebe coletivo “Nós” e alinha parcerias em benefício dos ludovicenses


O vice-governador Carlos Brandão recebeu, nesta terça-feira (4), a visita dos vereadores do coletivo “Nós” – formado por seis co-vereadores de São Luís. O encontro teve como objetivo o fortalecimento de parcerias, com o Governo do Estado, que visem a defesa e a garantia de direitos e de políticas públicas para a capital.

O “Nós” (PT) é o primeiro mandato coletivo da história legislativa do Maranhão, eleito para a Câmara de Vereadores de São Luís. Durante a reunião com o vice-governador, os parlamentares explicaram o funcionamento desse mandato inédito no estado e apresentaram algumas demandas da população, principalmente da periferia e da zona rural.

“Os parlamentares apresentaram as demandas de vários bairros e os trabalhos que estão sendo desenvolvidos para melhorar a qualidade de vida do povo de São Luís. Fiquei muito sensível às propostas apresentadas. Não tenho dúvidas de que os projetos que são bons para a coletividade, são bons para o Governo do Estado”, afirmou o vice-governador Carlos Brandão.

Para a vereadora Raimunda Oliveira, integrante do coletivo “Nós”, a parceria com o Governo do Maranhão é importante para a efetivação de políticas públicas que atendam a todos. 

“Viemos em busca do fortalecimento de parcerias com o Governo, por meio do vice-governador. Parceria essa em defesa pela garantia de direitos e de políticas públicas para a nossa cidade. E nós, como parlamentares e representantes do povo, que estamos nas periferias e na zona rural, queremos garantir que as políticas públicas aconteçam em nossa cidade, para o nosso povo e para a nossa gente”, frisou a vereadora.

O vereador Jhonatan Soares comentou sobre a receptividade com que as pautas foram recebidas e destacou a importância de caminhar ao lado da gestão estadual, em busca de soluções para as necessidades da população.

“É uma grande honra estar aqui, junto com o vice-governador, que com muita sensibilidade acolheu as nossas pautas e das nossas comunidades das periferias e da área rural de São Luís. E é exatamente isso que a gente acredita, em uma gestão que é sensível e próxima da população, como sempre tem sido. Nós queremos continuar assim. A gente acredita que é muito importante estarmos ao lado do Governo do Estado, trazendo essas demandas e vendo formas rápidas de resolver essas questões, pois o nosso povo tem pressa”, disse Jhonatan Soares.

Coletivo Nós

O coletivo é engajado e inserido nas questões sociais, culturais, econômicas e políticas do povo ludovicense. O “Nós” é representado pelos vereadores Delmar Matias, Eni Ribeiro, Eunice Chê, Flávia Almeida, Jhonatan Soares e Raimunda Oliveira. Juntos, ocupam apenas uma cadeira de vereador, todos com a mesma importância e com equidade salarial.

Em 14 dias, Maranhão vacina mais de 45 mil profissionais de Educação


Desde o dia de 20 de abril até essa terça-feira (4), o Governo do Estado, em uma ação conjunta das Secretarias de Educação (Seduc) e da Saúde (SES), em parceria com os municípios, vacinou 45.438 mil profissionais da Educação Básica e Superior em todo o Maranhão contra a Covid-19, conforme dados do portal de vacinação do Ministério da Saúde. A vacinação, que começou a ser aplicada em trabalhadores com 55 anos ou mais, segue em ritmo acelerado e chegou à idade de 30 anos ou mais em algumas regiões do estado. 

“O processo de imunização dos trabalhadores da educação no Maranhão tem sido destaque graças ao esforço conjunto do governo e dos municípios para garantir todas as condições para vacinação desse grupo que é fundamental para o retorno das aulas híbridas, previsto para o segundo semestre, após a vacinação. Temos acompanhado de perto a aplicação das vacinas e visto esperança em cada profissional que é vacinado”, realçou o Secretário de Estado da Educação, Felipe Camarão. 

No Maranhão, a vacinação inclui todos os profissionais da educação em atividade, abrangendo as redes públicas federal, estadual, municipais, privada. Em municípios como Santa Helena, na baixada maranhense, 100% dos profissionais já receberam a primeira dose da vacina contra a Covid-19.

Na capital maranhense, estão sendo vacinados, nesta semana, os profissionais com 40 anos ou mais no IEMA Rio Anil (Cintra) e em Drive Thru no São Luís Shopping. Em Imperatriz, a vacinação já está destinada a trabalhadores com idade de 30 anos ou mais em atividade, no Drive Thru do Imperial Shopping. E outros municípios, como Bacabal, já estão sendo vacinados profissionais com 30 anos mais. Em Caxias, a 5ª maior cidade do Estado, também em Codó e São João do Soter, a vacinação já alcança profissionais da educação de todas as idades.

Vacina e esperança

“Já chegamos na faixa etária de 30 anos ou mais e logo todos os nossos servidores estarão imunizados contra a Covid-19. Isso nos enche de esperança, pois agora podemos vislumbrar a possibilidade do retorno às aulas, no ambiente escolar, primeiro em formato híbrido até termos condições sanitárias favoráveis para o retorno presencial”, apontou a gestora regional de Educação de Imperatriz, Orleane Santana.

“Estamos todos muito felizes por essa decisão do governador Flávio Dino de incluir os profissionais da educação no grupo de prioridade da vacinação, uma atitude digna que demonstra a sua responsabilidade com vida desses trabalhadores, que poderão voltar às salas de aulas presenciais protegidos e seguros”, completou Orleane.

Para o professor Raymundo Gomes, do Centro de Ensino Juvêncio Matos, escola da rede pública estadual em São Luís ter acesso à vacina representa o início de uma nova vida. “Vínhamos esperando por essa tão sonhada vacina, inclusive, no meu caso, já que eu tive a infelicidade de ser acometido por essa doença, mas graças a Deus hoje é o renascer de uma esperança por dias melhores. Agradecemos, profundamente, o Governo do Estado e toda a sua equipe, a Secretaria de Saúde e todos que estão colaborando, para que este evento aconteça”, revelou. 

No estado, a partir de deliberação na Comissão Intergestores Bipartite (CIB), ficou resolvido que nos municípios com mais de 100 mil habitantes a Secretaria de Estado da Saúde (SES) realiza a vacinação dos profissionais da rede estadual e federal; e as secretarias municipais, os profissionais das escolas da rede privada e rede municipal.

Vacinas Pfizer chegam ao Maranhão para reforço da campanha de imunização contra a Covid-19


Foto: Ruy Barros

O Maranhão recebeu, na tarde desta segunda-feira (3), o primeiro lote de vacinas Pfizer. Os imunizantes irão reforçar a campanha de vacinação contra o novo coronavírus no estado. São 10.530 doses para a aplicação da primeira dose no público de pessoas com comorbidades, gestantes, puérperas e pessoas com deficiência permanente. Ao chegarem na Rede de Frio da Secretaria de Estado da Saúde, as vacinas foram armazenadas em ultrafreezers, aparelhos que garantem a conservação adequada da vacina e podem chegar à temperatura de –86°. 

A superintendente de Epidemiologia e Controle de Doenças da SES, Tayara Costa Pereira, explica que, por recomendação do Ministério da Saúde, apenas a capital, São Luís, irá receber esse imunizante. As vacinas para a aplicação da segunda dose do imunizante devem ser enviadas ao Maranhão em 12 semanas.  

“A Pfizer é uma vacina que precisa de temperatura diferenciada, ela vem do Ministério da Saúde com o uma temperatura de -80° e quando chega aqui passa por um descongelamento e fica em uma temperatura de -20° a -25°. Nesta madrugada, ela passará por outro processo de descongelamento e ficará numa temperatura de 2° a 8° para nesse momento ser entregue ao município de São Luís, que terá apenas cinco dias para realizar a imunização com essas doses”, explica a superintendente Tayara Pereira.

Junto com a vacina Pfizer, chegaram também 173.250 doses da vacina AstraZeneca para dar continuidade a campanha de imunização contra a Covid-19 nos 217 municípios maranhenses. Essas doses também serão destinadas ao público de pessoas com comorbidades, gestantes, puérperas e pessoas com deficiência permanente, além de pessoas de 60 a 64 anos. Os imunizantes começam a ser distribuídos ainda esta semana. 

Com a nova remessa, o Maranhão totaliza 1.907.370 doses recebidas, sendo 830.000 da AstraZeneca, 1.066.840 doses da CoronaVac e 10.530 doses da Pfizer.

sábado, 1 de maio de 2021

No Dia do Trabalhador, Governo inaugura obras de urbanização e entrega cartões de auxílio a catadores de resíduos sólidos

 

Foto: Nael Reis

O governador Flávio Dino e o secretário de Estado das Cidades e Desenvolvimento Urbano (Secid), Márcio Jerry, entregaram, na manhã deste sábado (1º), no Dia do Trabalhador, mais uma etapa da urbanização da Ponta do São Francisco, em São Luís. Na ocasião, o governador fez a entrega de cartões do Programa de Incremento à Renda dos Catadores Maranhenses, integrando as ações em benefício dos catadores de resíduos sólidos por conta da pandemia. 

O governador Flávio Dino enfatizou que a entrega dos cartões aos catadores representa valorização de uma classe trabalhadora que presta um serviço ambiental fundamental, no que refere à reciclagem e proteção do meio ambiente.

Durante a agenda pelo Dia do Trabalhador, o governador frisou os investimentos de R$ 2,2 milhões em infraestrutura, que resultaram em sete grandes obras de urbanização, garantindo o acesso de moradores ao lazer, esporte e convivência. 

“São obras que valorizam os bairros onde a classe trabalhadora mora e garantindo direitos essenciais. Como lembrou um morador, vários, por décadas, passavam por cima da ponte do São Francisco e não olhavam a urbanização desse bairro. Fizemos várias obras, para que tenhamos um dia da classe trabalhadora, em que, nos seus locais de moradia e de trabalho, se sintam valorizados”, reforçou Flávio Dino. 

O secretário de Estado das Cidades e Desenvolvimento Urbano (Secid), Márcio Jerry, parabenizou a classe trabalhadora, frisando ser um dia de renovar o espírito de luta do povo. “Este momento de pandemia é de vacina, emprego e pão, que podemos dividir, celebrando o Dia do Trabalhador. Esta entrega é muito importante, da penúltima etapa da ponte do São Francisco, e vários polos da cidade com a entrega de obras e equipamentos públicos que melhoram a vida de nosso povo”, pontuou.

Também presente durante a homenagem ao Dia do Trabalhador, o secretário de Estado do Trabalho e Economia Solidária (Setres), Jowberth Alves, reforçou o compromisso da gestão estadual em cuidar das pessoas. “O auxílio representa mais um avanço para essa categoria que desde sempre é invisibilizada pela sociedade, por parte do poder público. Mas o governador Flávio Dino, com a sensibilidade que tem com as categorias de todos os trabalhadores, permite hoje a consolidação de mais uma ação em favor da categoria”, declarou.

Ponte São Francisco

Com 550 metros quadrados, a nova praça, construída pelo Governo do Estado por meio da Secid, integra o plano de urbanização para a área ao longo da Avenida Ferreira Gullar e de intervenção do Programa de Aceleração do Crescimento – PAC II. O projeto urbanístico dessa região, às margens da Avenida Ferreira Gullar, possui uma divisão em três setores para entrega dos benefícios. 

A comunidade do bairro São Francisco já foi beneficiada, em abril do ano passado, com a entrega do setor um, ao lado do Residencial José Chagas – praça equipada com bancos, iluminação, academia de ginástica e playground; e o setor dois com praça e quadra de futebol de areia, além de uma quadra poliesportiva coberta.

Já o setor três está dividido em duas partes: a que foi entregue neste sábado está urbanizada com uma praça completa, calçamento em blocos de concreto em trecho da orla marítima e recebeu também a construção de posto de saúde onde será instalada uma Unidade de Especialidades Odontológicas do Maranhão (Sorrir) – projeto criado pelo governador Flávio Dino para ampliar o acesso da população maranhense a serviços odontológicos. 

A outra etapa desta obra está em andamento na área próxima da ponte do São Francisco. O projeto para o local prevê a construção de cais com rampa para atracação e acesso de pequenas embarcações pesqueiras e de lazer, playgrounds, áreas para ginástica, paisagismo, sistema de iluminação pública, redes de abastecimento de água, rede de coleta sanitária e de drenagem superficial. Tudo isso com a bela vista para a Baía de São Marcos.

“Sem dúvida nenhuma, esperamos o crescimento. Esse trabalho valoriza nossa área, que antes era depredada. Quem ganha é a comunidade e peço aos moradores, que preservem e lutem por esse patrimônio, lembrando que alguém se sensibilizou para buscar essa melhoria. Parabenizo os contemplados e vejo que o Governo do Estado tem se mostrado o governo do povo, acessível à comunidade e preocupado com o bem-estar dos maranhenses”, avaliou a moradora Elizabeth Costa, do Recanto dos Signos, que representou os demais residentes de áreas recuperadas pela Secid. 

Mais inaugurações

Além da Praça da Ponta do São Francisco, foram entregues mais seis praças beneficiando moradores dos bairros Vila Industrial, Vila Sarney, Vila Nova República, na zona rural; Residencial Ribeira e Residencial Piancó, na área Itaqui-Bacanga; e Recanto dos Signos, na região da Cidade Operária.

Com uma área de 361 m², a Praça da Vila Sarney é um espaço de convivência e lazer. A intervenção inclui a troca de piso, paisagismo, playground, acessibilidade e mobiliário, que abrange a colocação bancos e lixeiras.

Já na Vila Industrial, o espaço possui 848 m² e os trabalhos realizados resultaram na substituição do piso, paisagismo, playground, academia para idoso, acessibilidade, que inclui rampa e piso podotátil – que tem a função de orientar pessoas com deficiência visual ou com baixa visão, por isso é diferenciado com textura e cor para ser perceptível, destacando-se do restante do piso que estiver ao redor.

A Praça da Vila República, localizada no bairro do Maracanã, a área tem 438 m² e era um grande anseio da comunidade. No Paraíso Piancó, o equipamento público situado no bairro da Vila Embratel, área Itaqui-Bacanga, conta com uma área de 813 m², que agora possui academia para idoso, áreas de jogos e recreação, playground e acessibilidade.

No Residencial Ribeira, a Secid revitalizou um espaço em frente ao Centro Comercial Ribeira. O local possui 3.037,27 m² e abrange uma série de intervenções, como a troca de piso, acessibilidade, paisagismo, playground, academia para idoso, acessibilidade e colocação de lixeiras e bancos.

Auxílio a catadores

“Os catadores prestam um serviço ambiental e esse auxílio que instituímos é uma forma de apoiar esta atividade e tem, claro, nesse momento, a dimensão do combate à crise, pois sabemos da série de consequências por conta do coronavírus, no aspecto sanitário e também no socioeconômico. Com essa medida, estamos homenageando toda a classe trabalhadora; e com as inaugurações, mostrando um caminho no combate ao desemprego”, frisou o governador, na entrega dos cartões aos catadores. 

Flávio Dino lembrou que o Maranhão está no quinto ano consecutivo de Caged positivo. O Caged é órgão do Ministério do Trabalho que mede o desemprego formal, com carteira assinada. “No Maranhão, são mais pessoas com carteira assinada, mais pessoas admitidas. E este ano estamos mantendo. A ideia do dinheiro público fazendo obras que geram emprego, como essa praça, é uma ideia vitoriosa”, comentou.

Cleuba Melo Cunha, 42 anos, há 12 trabalhando como catadora, frisou que “esse cartão de auxílio é uma conquista, que esperávamos há muito tempo e agradeço ao governador Flávio Dino por nos dar esse reconhecimento, que é uma benção e muitos colegas catadores, principalmente do interior, esperavam por isso”.

O Programa Estadual de Incremento à Renda dos Catadores Maranhenses – auxílio emergencial – é voltado a catadores de resíduos, para ajudar no enfrentamento às adversidades sociais, decorrentes da pandemia da Covid-19. Os beneficiados receberam cartões com valor de R$ 400. O programa é coordenado pela Secretaria de Estado do Trabalho e da Economia Solidária (Setres).

Também participaram da agenda pelo Dia do Trabalhador, o vice-governador Carlos Brandão, autoridades políticas, lideranças comunitárias e moradores da região.

Em entrevista, secretário das Cidades anuncia o Cheque Minha Casa para a cidade de Buriticupu


O município de Buriticupu será a próxima cidade maranhense a ser beneficiada pelo programa Cheque Minha Casa. O anúncio foi feito pelo secretário das Cidades e Desenvolvimento Urbano (Secid), Márcio Jerry, durante entrevista ao programa Opinião Livre da rádio Nova FM, na sexta-feira (30). 

Por meio da iniciativa, o Governo do Maranhão concede R$ 5 mil para famílias de baixa renda realizarem obras de melhorias e ampliação de suas casas. O programa está em processo de interiorização e Buriticupu é o segundo município a ser contemplado.

Além do anúncio, Márcio Jerry fez um balanço dos 100 dias à frente da pasta das Cidades. Ele destacou as ações e intervenções estruturantes que a Secid está implementando ao longo da avenida Jackson Lago, em São Luís, na capital maranhense. “Entregamos uma Escola Digna com quadra poliesportiva para a Secretaria de Educação (Seduc), e estamos avançando nas obras da policlínica, uma delegacia, uma praça e uma creche. É um volume grandioso de intervenções que vai mudar a paisagem e a vida de milhares de pessoas daquela região”, destacou Jerry. Essas ações fazem parte do projeto PAC Rio Anil, que visa garantir dignidade e melhores condições de vida para as famílias que moram à margem esquerda do Rio Anil, nos bairros da Camboa, Alemanha, Fé em Deus e Liberdade.

Apesar da pandemia, o secretário ressaltou que o Maranhão é o Estado com menor índice de mortes por Covid-19 do país.

“A presteza, a rapidez e a eficiência da vacinação da nossa população e ao mesmo tempo o reforço da rede hospitalar que faz com que tenha uma incidência muito forte na redução das mortes. Outro fator importante foram os auxílios que foram disponibilizados para diversas categorias, estimulando e aquecendo a economia local”, disse o secretário. 

O gestor fez um panorama, também, das ações no interior do Estado. 

“Agora, em maio, entregaremos 300 casas nos municípios de Araioses, Conceição de Lago Açu e Serrano do Maranhão pelo programa Minha Casa Meu Maranhão. Na última viagem, visitei cinco municípios. Em Palmeirândia e São Vicente Ferrer, entregamos sistemas de abastecimento de água, juntamente com a Caema. Já em Viana, vamos construir um novo sistema de abastecimento. Em Penalva, brevemente vamos anunciar o início das obras da Praça da Família, um investimento de 1,6 milhão de reais.”

O secretário das Cidades assegurou, ainda, durante a entrevista, as obras de revitalização de seis portos em Paço do Lumiar, e da Lagoa do Zé Feio, em São Domingos, e da Avenida Beira-mar de Colinas.

Ouça a entrevista completa em https://www.youtube.com/watch?v=SQUdILsGd54

quarta-feira, 28 de abril de 2021

Maranhão ingressa com ação cível e STF manda realizar o Censo 2021

 


Nesta quarta-feira (28), o Supremo Tribunal Federal deferiu liminar que determina a adoção de medidas voltadas à realização do Censo 2021.

Por meio de suas redes sociais, o governador do Maranhão, Flávio Dino, comemorou a decisão do STF. “O Supremo acolheu a ação do Governo do Maranhão e determinou que o governo federal realize o Censo. Vitória do direito constitucional à informação, do respeito à ciência e da legalidade”, disse Dino.

Na última segunda-feira (26), o Ministério da Economia oficializou a informação de que o censo estaria cancelado. 

Para o Supremo, o censo, realizado historicamente pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), permite mapear as condições socioeconômicas de cada parte do Brasil. “E, então, o Executivo e o Legislativo elaboram, no âmbito do ente federado, políticas públicas visando implementar direitos fundamentais previstos na Constituição Federal”, diz o documento. 

O Estado do Maranhão ajuizou, contra a União e o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), ação cível originária, com pedido de tutela de urgência, visando sanar irregularidades ante omissão em formalizar atos administrativos e alocar recursos para a realização do censo demográfico no ano de 2021.

O estado afirma legitimidade e interesse, aludindo à perda de receitas tributárias e à dificuldade, em razão da falta de dados, de formular e executar políticas públicas.

Othelino destaca aprovação de novas matérias voltadas ao combate da Covid-19

Andressa Valadares / Agência Assembleia


O presidente da Assembleia Legislativa do Maranhão, deputado Othelino Neto (PCdoB), destacou a aprovação, na sessão plenária remota desta terça-feira (27), de novas matérias voltadas ao enfrentamento da Covid-19  no Maranhão, entre elas, projetos de decreto legislativo que reconhecem o estado de calamidade pública em  mais oito municípios e, ainda, o PL 076/2021, de autoria do deputado Wellington do Curso (PSDB), instituindo  a Política Estadual de Atenção à Saúde Mental das pessoas acometidas pela doença.

Os projetos de decreto legislativo aprovados reconhecem o estado de calamidade pública nos municípios de Fortaleza dos Nogueiras, Duque Bacelar, São Bernardo, São Luís Gonzaga do Maranhão, Cantanhede, São Raimundo das Mangabeiras, Anapurus e Alto Alegre do Maranhão.

“A iniciativa facilita aos gestores municipais a contratação de serviços e a aquisição de produtos e medicamentos importantes para o tratamento das pessoas com Covid-19”, disse. 

O parlamentar também destacou o PL do deputado Wellington do Curso, voltado à criação de políticas de atenção à saúde mental de pessoas que contraíram o coronavírus. 

“A pandemia é um grave problema de saúde pública, que tem sido enfrentado por todo o mundo com impactos não apenas na saúde física das pessoas, mas, também, psicológica. Temos percebido muitos casos de depressão por conta dessa situação e esse acompanhamento é muito importante”, frisou.

Othelino citou, ainda, o projeto de lei do deputado Zé Inácio, que cria mais algumas normas visando garantir aos parlamentares maior embasamento para a apreciação e aprovação de decretos municipais de calamidade pública.

Ele quer matar todos nós: governo Bolsonaro já recusou ofertas de vacinas 11 vezes

Fatos vêm à tona no momento em que o governo recusa também a Sputnik V e faltam vacinas para a segunda dose em diversos estados. Nenhum brasileiro pode dormir tranquilo enquanto Bolsonaro permanecer na Presidência da República.

JM Cunha Santos


Repito: nenhum brasileiro vai poder dormir em paz enquanto Jair Bolsonaro for presidente do Brasil. Com a recente negação da Sputnik V, já são 11 vezes que o governo recusa ofertas de vacinas para o país, conforme denúncias que já chegaram à CPI da Pandemia e matéria do Portal G1, assinada pelo jornalista Octavio Guedes.

Somente a Coronavac foi rejeitada seis vezes. Em três delas, a iniciativa de oferta partiu do diretor do Instituto Butantan, Bruno Covas. As duas primeiras, em 30 de julho e 18 de agosto, simplesmente ficaram sem respostas. A proposta de compra da vacina foi entregue, inclusive, em mãos do próprio ministro da Saúde, Eduardo Pazuello e o Butantan promoveu palestras e conferências sobre a Coronavac. Nem assim houve resposta positiva do governo brasileiro.

O próprio Jair Bolsonaro negaria, por duas vezes, a participação do Brasil no Covax Facility, consórcio liderado pela Organização Mundial de Saúde para que todos os países tivessem acesso a vacinas de forma justa e igualitária independente de suas condições financeiras. Era abril de 2020 e o consórcio oferecia um portfólio de 8 vacinas diferentes, mas o Brasil não assinou.

Vem em seguida os casos das vacinas da farmacêutica Pfizer e da Janssen. Depois de o Brasil ter recusado uma oferta de 70 milhões de vacinas da Pfizer, o ex-ministro Eduardo Pazuello afirmou ter assinado contratos para aquisição de 100 milhões de vacinas da Pfizer e 38 milhões de vacinas da Janssen. Era mentira.

E vem agora o estranhíssimo caso da vacina Sputnik V, a segunda mais aprovada por órgãos sanitários no mundo e com 97,6 % de eficácia, segundo dados de 3,8 milhões de russos que tomaram a vacina. Quando o Consórcio de Governadores do Nordeste e o Consórcio de Governadores da Amazônia estavam a ponto de adquirir 37 milhões de doses da Sputnik V, mais uma vez o governo Bolsonaro, desta feita através da Anvisa, recusa, comemorando, com uma placa nas mãos do próprio presidente da República que diz “CPF CANCELADO”, os 400 mil mortos da covid-19 no Brasil.

E para fechar o cerco de ameaças do governo à vacinação dos brasileiros, o ministro Paulo Guedes, seguindo o extenso calendário de insultos do ex-ministro das Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araújo ao povo chinês e do próprio Jair Bolsonaro, acaba de afirmar que “A China inventou o vírus da covid-19”. E recebemos do diplomata chinês Yang Waming a resposta de que ATÉ O MOMENTO, a China é o principal fornecedor de vacinas e insumos ao Brasil, 95 % do total, e que a Coronavac representa 84 % das vacinas aplicadas no Brasil. ATÉ O MOMENTO significa simplesmente que o Brasil pode ficar sem a vacina chinesa e sem os insumos que garantem sua produção aqui no país.

Eu quase suspeito de que não se trata de simples burrice ou “canelagem” ideológica, de que há um plano elaborado para que morra o maior número possível de vítimas dessa doença no Brasil.   

terça-feira, 27 de abril de 2021

Notícias de morte

JM Cunha Santos


Por impulso

me deito nas margens do céu

e me cubro com lençóis de palha

Minha reserva de lágrimas está no fim

e eu já esqueço antes

quem ainda vai morrer hoje

Deus passeia de bicicleta

com uma sacola cheia de pedidos de socorro

O mundo morre, o Brasil morre

enquanto tomo minha vacina de nuvens

Preciso de um amigo vivo!

grito para um Deus ocupado

em separar almas boas e ruins

Mas na tela do meu celular surge outro corpo

e outro e mais outro e são tantos

que pergunto se algum deles não é meu

Mas não, eu ainda estou aqui:

ninguém veio ao meu enterro

somente aquela moça com vontade de fazer alguém feliz

Governador Flávio Dino anuncia Zé Reinaldo como diretor do Porto do Itaqui



O governador do Maranhão, Flávio Dino, anunciou nesta segunda-feira (26) que o ex-governador Zé Reinaldo fará parte da gestão estadual. Ele assumirá o cargo de diretor de relações institucionais do Porto do Itaqui.

“Com sua grande experiência em cargos públicos e diálogo com o setor privado, Zé Reinaldo vai contribuir na formulação de projetos para novos investimentos”, comentou o governador.

Graduado em engenharia civil, Zé Reinaldo foi ministro dos Transportes entre 1986 e 1990, governador do Maranhão entre 2002 e 2006, além de ter tido dois mandatos como deputado federal.

“Eu agradeço muito o convite do governador, me honra muito, e isso me possibilita trabalhar de novo para o desenvolvimento do Maranhão junto com o governador Flávio Dino, que vem fazendo um trabalho extraordinário”, comentou o agora diretor do Porto de Itaqui.

Presidente do Porto do Itaqui, Ted Lago aproveitou a oportunidade para destacar a experiência de Zé Reinaldo no governo federal. “Nós damos boas vindas ao ex-ministro. Ele traz ao Porto de Itaqui a sua experiência, conhece o setor, é um visionário. E, sem dúvida, irá somar muito conosco, principalmente nos próximos passos que daremos, com o crescimento do estado, novas estruturas portuárias e expansão do Porto de Itaqui e o Complexo Portuário do Maranhão”, completou Lago.

segunda-feira, 26 de abril de 2021

Bolsonaristas importam para o Brasil a maior organização terrorista da história dos EUA, dedicada a matar negros – a Ku Klux Klan

 Criaram o horror, arrancando dedos de negros em público e atirando para a multidão branca. Agora estão no Brasil, simulando enforcamentos de “comunistas” e membros do STF. Tudo porque devolveram ao ex-presidente Lula seus direitos políticos.

JM Cunha Santos


Porto Alegre, Rio Grande do Sul, 22 de abril de 2021. Num protesto a favor de Bolsonaro, homens brancos que se diziam indignados com a vitória do ex-presidente Lula no STF, simulam enforcamentos de juízes do Supremo Tribunal Federal e do que eles chamam de “comunistas”. O carrasco é um membro da Ku Klux Klan, organização necroreligiosa dos EUA, maior organização terrorista da história daquele país. Eles também gritam “eu autorizo”, lembrando a fala de Jair Bolsonaro em que diz que só espera a autorização do povo brasileiro para jogar as Forças Armadas nas ruas e implantar sua tão sonhada ditadura.

O ato em si é uma réplica da “Era dos Linchamentos”, quando a Ku Klux Klan matou milhares de afro-americanos em praça pública nos EUA para mostrar que a ascensão social dos negros tinha limites.

Torturadores brutais, os chamados “Cavaleiros das Trevas” sempre tiveram objetivos muito claros: perseguir e matar negros, católicos, judeus e imigrantes.

Tocados pelo ódio racial, não é a primeira vez que tentam se organizar fora de seu país e também não é a primeira vez que aparecem no Brasil em movimentos pró-Bolsonaro. Estavam entre os 300 do Brasil, grupo supremacista de apoio ao presidente, liderado pela doida Sara Winter, com as mesmas máscaras e empunhando as mesmas tochas de fogo e cruzes que usam em seu país quando vão cometer atrocidades.  

E enquanto você se pergunta o que os bolsonaristas pretendem trazendo tal raça de assassinos para o nosso país, posso lhes contar algumas pequenas histórias sobre essa organização terrorista: entre 1877 e 1950 lincharam 4.400 negros em praça pública, muitas das vezes anunciando antes nos jornais. Coisas do tipo “Amanhã, 3 mil pessoas vão queimar um negro”. E matavam negros e católicos na proporção de 4 negros para cada branco, sendo que os brancos não eram torturados. Escusavam-se os terroristas, mesmo naquela sociedade racista, em falsas acusações de homicídios, violação sexual e incêndios que eles mesmos provocavam.

A barbárie era tamanha que um negro foi linchado em praça pública por ter tratado um policial pelo nome e não de Senhor; um outro negro morreu pelo simples fato de ter tropeçado em uma moça branca. E um casal de negros teve cada um dos dedos e orelhas cortados e atirados para uma plateia de brancos que comia ovos cozidos e bebia limonada, o lanche distribuído pela Khan.

É em monstros como esses que se espelham os chamados “Homens de Bem” de pastores do Satanás, como Silas Malafaia; essa é a raça de filhos de Belzebu que a presença de Jair Bolsonaro na política trouxe diretos dos cafundós do inferno para o Brasil.

Enquanto isso, segundo gravações da Polícia Civil do Rio de Janeiro, o presidente recebia ligações telefônicas de assassinos de aluguel ligados ao ao grupo miliciano “Escritório do Crime”.

Orem muito a Deus, peçam muita proteção: o Brasil está estregue em mãos de adoradores do Diabo.

sábado, 24 de abril de 2021

Bolsonaro entra com recurso no Supremo Tribunal Federal contra a vacina Sputnik, o que pode contribuir para mortes de milhares de maranhenses por covid-19

Somente o rancor e o ódio que bufam no peito do presidente da República podem explicar que ele recorra ao STF para que a Sputnik V, vacina com 100 por cento de eficácia em casos graves, não chegue ao Maranhão.

JM Cunha Santos


À medida que seu governo se desgraça, cercado por uma CPI, ameaçado por 100 pedidos de impeachment e focalizando o Brasil como uma ameaça ao resto do mundo, o ódio inerente a Jair Bolsonaro desde que ele fez campanha de metralhadora em punho, só aumenta.

O governador Flávio Dino informou, ontem, que o governo Bolsonaro entrou com recurso no STF contra a decisão liminar do ministro Ricardo Levandovski que permite ao Maranhão aplicar a vacina Sputnik V a partir da próxima quarta-feira, 28.

A xenofobia e o ódio que saltam de todos os poros de Bolsonaro, quando quer 6 armas em mãos de cada cidadão brasileiro, quando chama os maranhenses de “Boiolas”, o leva a querer protelar, indefinidamente, a chegada da Sputnik ao Maranhão, o que vai afetar também os estados do Ceará, Amapá e Piauí. E ele sabe que se a decisão do STF lhe for favorável vai morrer muita gente que não é para morrer. E não é só porque não teve maioria de votos no Nordeste na eleição que o elegeu. É o mesmo prazer satânico que o faz conceder medalhas de honra a torturadores e querer dar ao Estado, através de seus agentes, poder de vida e morte sobre o cidadão através de sádica excludente de ilicitude.

Quantos maranhenses, cearenses, piauienses e amapaenses a mais poderão morrer por falta dessa vacina pouco lhe importa. Ele já fez a mesma coisa quando atrasou a chegada da Coronavac ao Brasil e criou todo tipo de empecilho para que a vacina da Pfizer nunca aqui chegasse, como deixou bem claro, ontem, seu ex-secretário de Comunicação, Fábio Wajngarten.

O Consórcio do Nordeste, que reúne 9 estados, tem contratos para compra de 37 milhões de doses da vacina Sputnik. Trinta e sete milhões. Mas o Senhor Jair Bolsonaro não quer. O que quer mesmo, e nem duvido mais, e que todo mundo morra.

É uma vacina que está sendo aplicada com sucesso em 60 países, salvando milhões e milhões de vida. Mas o governo brasileiro não quer, como não queria a Coronavac, como não quer a vacina Pfizer, como não quer vacina nenhuma.

Nunca desgraça maior que este governo, em tempo algum, aconteceu neste país.

O ódio é a pior coisa do mundo e não tem explicação.

9 mil quilômetros quadrados da floresta amazônica foram derrubados em 12 meses do governo Bolsonaro; ele mentiu na Cúpula do Clima

É, minha gente, como mente esse presidente, mente tanto, tanto mente, que ele mesmo se desmente.

JM Cunha Santos


Nada menos que 9 mil quilômetros quadrados de floresta foram derrubados na Amazônia em apenas 12 meses, entre 2019 e 2020, os dois primeiros anos do governo Bolsonaro. É uma área equivalente a 6 vezes o tamanho do município de São Paulo. Consequência pura e simples do desmantelamento das políticas ambientais e enfraquecimento dos órgãos de fiscalização ambiental do país.

Esse governo está conseguindo triturar a maior floresta tropical do planeta, o chamado pulmão do mundo, pois a previsão é chegar a 13 mil quilômetros quadrados de desmatamento ainda este ano.

E Bolsonaro foi à Cúpula do Clima mentir que pretende reduzir o desmatamento ilegal e as emissões de gás carbono, pois todas as suas decisões até agora são em sentido contrário. Não vamos esquecer que Jair Bolsonaro praticamente legalizou a grilagem ao editar, em 2019, Medida Provisória que facilita a concessão de títulos de propriedade para quem ocupar terras públicas, beneficiando quem invadiu terras e desmatou até dezembro de 2018. A mesma MP permite a ocupação de áreas de até 1.400 hectares no estado do Amazonas sem vistoria.

Foi o sinal. O desmatamento ilegal, a especulação imobiliária da terra e a grilagem avançaram sem dó nem piedade sobre a Amazônia auferindo lucros incalculáveis, destroçando a floresta e também a imagem do Brasil mundo afora.

Como é sabido, este governo retém R$ 3 bilhões de reais do Fundo Amazônia o que paralisa as ações de preservação da floresta, desde que Bolsonaro assumiu o governo. E nos anos de 2019 e 2020 a floresta amazônica e o Pantanal queimaram impiedosamente para garantir limpezas de pastagens, de material de desmatamento e abertura de estradas. O Pantanal chegou a registrar 15 mil focos de incêndio, o maior número desde 1988. Segundo a Fundación Amigos de la Natureza, a área afetada por incêndios em todo o Pantanal em julho de 2020 cobria 768 mil hectares, dos quais 534 mil (70%) no Brasil.

A floresta Amazônica, por seu lado, torrou em 89.176 focos de calor em 2019 e 89.604 até outubro de 2020. À época, Bolsonaro disse, durante solenidade de formatura de novos diplomatas no Instituto Rio Branco, que convidaria diplomatas estrangeiros para visitar a floresta amazônica. “Eles não vão ver nada queimando ou sequer um hectare de terra devastada”, garantiu. Mentia na cara dos fatos, mentia enquanto a Amazônia e o Pantanal queimavam e a grande maioria dos líderes mundiais exigia providências urgentes do Brasil.

Agora, mais uma vez, faz do Brasil motivo de chacota, com um discurso em que nem mesmo ele crê. É tão escandalosa essa política ambiental que favorece o desmatamento que o ex-delegado da Polícia Federal do Amazonas apresentou Notícia-Crime no STF contra o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles que, junto com o senador Telmário Miranda e Eduardo Dubim, presidente do Ibama, estariam intervindo em desfavor da operação da Polícia Federal que fez a maior apreensão de madeira ilegal da história.

Chega a doer a imagem de 200 mil metros cúbicos de madeira, no valor de R$ 129 milhões estendidos no chão, denunciando, por si só, o assassinato da floresta amazônica.

No dia seguinte à denúncia, o delegado Saraiva estava demitido. E essa é a política ambiental de Jair Bolsonaro que ele mesmo desmentiu na Cúpula do Clima.  

É, minha gente, como mente esse presidente, mente tanto, tanto mente, que ele mesmo se desmente.