quarta-feira, 21 de outubro de 2020

Quanto ódio! Bolsonaro dá a impressão de que não quer vacinar os brasileiros contra o coronavírus

“A saúde é um bem maior que disputas ideológicas e eleitorais”. (Flávio Dino, governador do Maranhao).

“Quando tiver a vacina, nós vamos compra-la de imediato. Pode ser em outros país”. (Rubens Júnior, deputado federal e candidato a prefeito de São Luís).

JM Cunha Santos


Ao cancelar a compra pelo Ministério da Saúde de 46 milhões de doses da vacina chinesa Coronavac, o presidente Jair Bolsonaro só reforça o quanto é movido por ódio político, não importando a quem nem a quantos esse ódio possa atingir.

É o mesmo presidente que fez de tudo para que não houvessem a quarentena e o distanciamento social como forma de resguardar a população do contágio do patógeno viral que já matou mais de 150 mil de brasileiros. Se os governadores e o povo não tivessem garantido a quarentena, este número de óbitos estaria, no mínimo, triplicado no país.

Que importância tem se a vacina vem da China, de Júpiter ou da lua, se ela puder evitar que o vírus continue matando pessoas aos milhares no Brasil?

Bolsonaro chegou a sugerir que o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, é um traidor e dizer que é outro que já está querendo aparecer demais. Isso indica que o general é mais um que não ficará muito tempo à frente do MS, embora Pazuello tenha se acovardado e desfeito tudo o que fez no dia anterior durante reunião com os governadores. E todos sabem o quanto é prazeroso para Bolsonaro humilhar as patentes que um dia o expulsaram do Exército.  

Evidente que a decisão provocou reações de todos os setores da sociedade. O diretor-presidente da Anvisa, Antônio Barras Torres declarou que não importa o local de origem da vacina, mas a sua qualidade. O Instituto Butantan, que há mais de um século produz e distribui vacinas contra doenças diversas no Brasil, revelou em nota sua surpresa e indignação com a atitude do presidente. O Partido Rede Sustentabilidade vai ajuizar ação no Supremo Tribunal Federal para tornar obrigatória a compra e a distribuição de vacinas aprovadas pela Anvisa. E o diretor adjunto da Anvisa, Juvenal de Sousa Brasil declarou que “Não existe interferência política na Anvisa, que é um órgão de estado, não de governo”.

No Maranhão, as reações vieram do governador Flavio Dino e do deputado federal Rubens Júnior. Segundo Flávio Dino, “Bolsonaro quer fazer a guerra das vacinas, ele só pensa em palanque e guerra”. E acrescentou que “Nenhum brasileiro quer uma nova guerra na Federação, mas os governadores irão ao Congresso Nacional e ao Poder Judiciário para garantir acesso da população a todas as vacinas que forem seguras. A saúde é um bem maior que disputas ideológicas e eleitorais”.

O deputado federal Rubens Júnior, atualmente candidato a prefeito de São Luís, além de desafiar o candidato de Jair Bolsonaro, Eduardo Braide, a se posicionar sobre a polêmica da vacina, reafirmou em entrevista aos apresentadores Jhon Cutrim e Adalberto Melo, da TV Difusora: “Quando tiver a vacina, nós vamos compra-la de imediato. Pode ser em outros país”.

Esse irrespirável posicionamento do presidente Jair Bolsonaro acontece num momento em que o mundo inteiro treme diante de uma segunda onda de covid-19 na Europa, o que a Ciência mostra que também pode acontecer aqui e em qualquer outro país.

A impressão que fica é que assim como foi contra a quarentena e o isolamento social, Bolsonaro também é contra a vacinação do povo brasileiro. É muita crueldade!

Rubens é o que mais cresce em pesquisa DataIlha/Band e chega a 9%


O Instituto DataIlha/Band divulgou, nesta quarta-feira (21), pesquisa de intenção de voto para a prefeitura de São Luís. O candidato Rubens Jr (PCdoB) foi o que mais cresceu e aparece consolidado na 4ª posição, com 9% das intenções de voto. No levantamento de julho, o candidato do partido do governador Flávio Dino possuía apenas 3,5%, ou seja, o crescimento foi de 5,5%, na pesquisa estimulada.

Na pesquisa espontânea, Eduardo Braide (Podemos) aparece com 31,2%, seguido pelos deputados estaduais Duarte Jr (PRB) e Neto Evangelista (DEM), com 10,1% e 9,4%, respectivamente. O deputado federal Rubens Jr (PCdoB) aparece com 8%, seguido por Yglésio Moyses (PROS) com 2,0% , Jeisael Marx (Rede) com 1,9% e Bira do Pindaré (PSB) com 1,8%. Sílvio Antônio (PRTB) e Franklin Douglas (PSOL) aparecem com 0,3%, enquanto Hertz Dias (PSTU) e Edivaldo Holanda Júnior (PDT)- que não vai participar do pleito- empatam com 0,2%. Branco e Nulo têm 0,2% e não sabe/não responderam foram 33,7%.

No cenário estimulado, Eduardo Braide (Podemos) mantém a liderança com 39%. Ele é seguido por Duarte Jr (PRB) com 13,1%, Neto Evangelista (DEM) com 12% e Rubens Jr (PCdoB) com 9%. Jeisael Marx (Rede) tem 2,8%, Bira do Pindaré (PSB) tem 2,5%, Yglésio Moysés (PROS) tem 2,2%, Sílvio Antônio (PRTB) tem 0,6%, Franklin Douglas (PSOL) tem 0,5%, Hertz Dias (PSTU) aparece com 0,2%, brancos e nulos somam 6,8% e não sabem/não responderam são 11,4%.

Os entrevistados também foram perguntados em quem não votariam de jeito nenhum. 15,9% citou Eduardo Braide (Podemos), 10,5% disse Bira do Pindaré (PSB), Duarte Jr (PRB) é rejeitado por 9,2%, Rubens Jr (PCdoB) foi lembrando por 6,2%, Neto Evangelista (DEM) por 5%, Jeisael Marx (Rede) por 4,2%, Silvio Antônio (PRTB) por 1,8%, Franklin Douglas (PSOL) por 1,7% e Hertz Dias (PSTU) 1,3%. 3,1% disse que votaria em todos exceto Eduardo Braide, 0,9% disse que votaria em todos exceto Duarte Jr, 0,7% votariam em todos exceto Jeisael Marx e 0,6% votariam em todos exceto Rubens Jr.

A pesquisa foi realizada entre os dias 13 e 15 de outubro e ouviu 1080 eleitores em mais de 40 bairros da capital e foi registrada na Justiça Eleitoral sob o número MA-04987/2020.

“Precisamos saber a aliança e história de cada candidato”, diz Rubens em sabatina


Em entrevista à Tv Difusora, o candidato a prefeito de São Luís, Rubens Jr (PCdoB), convidou o eleitorado a sondar os candidatos e pesquisar as suas alianças e história. Ele disse que durante a campanha muitos aparecem como bonzinhos, mas que é preciso investigar pra fazer a escolha certa.

Com um discurso concreto e expondo todas os seus apoios e alianças, Rubens afirmou que muitos dos candidatos estão se escondendo pra enganar os eleitores da capital. “O Braide é de um partido que é ligado ao bolsonarismo. O partido dele é o que mais vota com Bolsonaro lá em Brasília”, argumentou.

Além de expor todas as suas alianças e elogiar a gestão Edivaldo Holanda, Rubens respondeu perguntas de eleitores e apresentou propostas para diversas áreas. O candidato garantiu que o seu governo será inspirado nos governos do presidente Lula e do governador Flávio Dino e garantiu que diferente de alguns políticos que combatem os pobres ele irá combater a pobreza. “Eu sou um político que tem um lado, e é o lado daqueles que mais precisam”, frisou.

A entrevista com os apresentadores Jhon Cutrim e Adalberto Melo, foi realizada de forma remota, já que o candidato ainda cumpre os protocolos após ser curado do conoravírus.

Rubens que está com o pai internado por causa da Covid 19, embargou a voz ao falar que buscará a vacina em qualquer lugar do país, quando ela for aprovada. “O compromisso é o seguinte, quando tiver vacina nós vamos compra-la de imediato. Pode ser em outro país. Meu pai tá na UTI nesse momento lutando contra essa doença, então vai ser uma prioridade nossa, a gente tira o dinheiro de onde tiver pra gente combater o coronavírus e garantir a vacina com prioridade absoluta e esse compromisso eu assumo” disse.

terça-feira, 20 de outubro de 2020

Braide ataca o governador Flávio Dino e ganha a antipatia da população

Braide está junto com o que há de pior na política brasileira. (Flávio Dino, governador do Maranhão).

JM Cunha Santos



Eu só posso pensar que Eduardo Braide está desistindo da campanha. Atacar Flávio Dino, hoje, no Maranhão é, no mínimo, suicídio político. Vai ver, foi ordem de Roberto Rocha ou de Jair Bolsonaro, não tem outra explicação.

Internautas de todos os recantos do Estado e, principalmente de São Luís, não deixaram por menos e estão triturando Eduardo Braide depois dos ataques ao governador. Raramente tenho visto tantos comentários positivos para um governo e negativos para um candidato.

Ora, Flávio Dino tem 70% de aprovação do povo maranhense e desde o primeiro mandato se mantém entre os três melhores governadores do Brasil, venha de onde vier a avaliação. O Maranhão está em primeiro lugar no ranking de combate à covid-19 entre os 27 estados brasileiros e é também o estado que mais gerou empregos neste ano de pandemia. E a pandemia é a maior preocupação de todo maranhense e de todo brasileiro nos dias de hoje. Menos, é claro, de Jair Bolsonaro, que resolveu fazer política com as vacinas de que o povo pode dispor.

Bater em Flávio Dino, portanto, é malhar em ferro frio e irritar a população.

Segundo Braide, São Luís foi enganada com uma promessa de parceria entre Flávio Dino e o prefeito Edivaldo e está completamente abandonada. E ele não tem o direito de dizer isso depois do programa São Luís em Obras da Prefeitura de São Luís.

O governador respondeu: “Domingo recebi postagem agressiva de Eduardo Braide contra mim. Ele diz que São Luís foi enganada. Mas a verdade é que já inauguramos hospitais, escolas, parques, praças, pontes, fizemos ações sociais e dezenas de obras e programas estão sendo executados em todas as áreas.

O governador também disse que, ao virar deputado federal, Braide caminhou para o extremismo, escolheu se filiar ao Podemos, o partido que mais votou com as propostas do governo Bolsonaro na Câmara e que prejudicam os direitos sociais.

E acrescentou que Braide está junto ao que há de pior na política brasileira.

segunda-feira, 19 de outubro de 2020

Onda 65 alcança mais de 10 bairros de São Luís no fim de semana


A cada dia a onda 65 do candidato a prefeito de São Luís pelo PCdoB, Rubens Jr, vai tomando as ruas da cidade, levando  propostas, ideias e ouvindo a população, visando uma gestão democrática e popular.

Afastado das ruas devido ao coronavírus, Rubens Jr tem sido substituído na liderança dos atos pelo candidato a vice-prefeito Honorato Fernandes (PT) e pelo coordenador geral da campanha, o deputado federal Márcio Jerry (PCdoB), e pela senadora Eliziane Gama (Cidadania)

Na última semana, mais de 10 bairros foram visitados pelo Onda 65 e a resposta popular foi empolgante. A Vila Nova República- na Zona Rural, Divinéia, Vila Luizão, Vila Mauro Fecury I e II, Vila Palmeira, Cohab, Forquilha, entre outros receberam caminhadas que arrastaram multidões. Outros como a Vila Embratel, Cidade Operária e Jd. São Raimundo receberam reuniões com líderes comunitários e candidatos a vereador da coligação.

Rubens Jr tem o apoio de sete partidos no pleito: PCdoB, PT, PP, Cidadania, PMB, DC e Solidariedade. Mais de 200 candidatos a vereador apoiam o projeto político de Rubens Jr, que pretende implantar uma gestão mais humana, popular e democrática, focada no desenvolvimento social de São Luís.

domingo, 18 de outubro de 2020

Na “Média Móvel de Administrações”, Flávio Dino é o melhor governador do Brasil e Jair Bolsonaro o pior presidente do mundo

JM Cunha Santos


Para o Painel Poder, do site Congresso em Foco, Flávio Dino permanece, desde 2018, quando a avaliação começou a ser feita, entre os três melhores governadores do Brasil, ocupando, neste ano de 2020, o segundo lugar. Mas como o consórcio de veículos de comunicação que estuda, mede e avalia os efeitos da pandemia de coronavírus criou o que se convencionou chamar Média Móvel, podemos assegurar, sem nenhuma possibilidade de erro, que Flávio Dino é, na média dos anos de 2015 até aqui, o melhor governador do Brasil.

Senão vejamos: No ano de 2015, na avaliação do Portal G1, da Rede Globo, Flávio Dino ficou entre os dois melhores governadores do país e nos anos seguintes, até o fim do mandato, assumiu a liderança. Ou seja, foi o melhor em 2016, 2017 e 2018 quando o Portal G1 aferiu que continuava em primeiro lugar com 94,5 % dos compromissos de campanha cumpridos. Em 2019, ficou novamente em segundo lugar, cumprindo 70 % de suas promessas, contra 74 % do governador do Ceará.

Se aplicarmos na administração a Média Móvel hoje usada pelos principais veículos de comunicação, teremos que é Flávio Dino o que a mais tempo permanece como melhor governador do país.

O governador recebe mais essa avaliação positiva do Congresso em Foco, em meio a ótimas notícias para o Maranhão: o estado manteve o crescimento do índice de desenvolvimento da educação básica (Ideb), atingindo 3,7 e ultrapassando, em São Luís, a projeção do Ministério da Educação; ficou em primeiro lugar no ranking de combate à pandemia de coronavírus entre os 27 estados brasileiros; foi também o estado que mais gerou empregos durante a pandemia.

E o governador Flávio Dino recebeu essa última avaliação do Congresso em Foco, anunciando a antecipação do pagamento do décimo terceiro salário. Isso quando há estados em que o pagamento do décimo está sendo feito em parcelas, ou nem é feito.

BOLSONARO

Já o presidente Jair Bolsonaro vem sendo apontado como o pior líder mundial desde 2019, principalmente pelas políticas ambiental e de combate à pandemia de seu governo. O desmonte do Ibama, o estímulo aos ataques a reservas indígenas, o descaso no combate a pandemia, a corrida armamentista provocada por decretos, a criminosa devastação da Amazônia, além dos incêndios nessa floresta e no Pantanal e os privilégios, inclusive de lei, ofertados a madeireiros, fazendeiros e grileiros, deixam a imagem do Brasil lá embaixo no ranking internacional.

Os principais jornais do mundo, como o americano The New York Time, a revista inglesa The Economist, o alemão Der Spiegel, o espanhol El País, fuzilam a gestão de Jair Bolsonaro em editoriais impiedosos. Isso sem contar o que dizem dele os principais líderes da União Europeia que chegam a considera-lo uma ameaça a acordos econômicos com o Mercosul. Não esquecendo que Jair Bolsonaro é também racista declarado, como já publicamos aqui.

Por essas e por outras é que Flávio Dino é sempre citado, dentro e fora do país, entre os mais notáveis candidatos à Presidência do Brasil.

sábado, 17 de outubro de 2020

Senador flagrado com dinheiro nas partes pudendas é o símbolo perfeito do governo Bolsonaro. Apoia ele, Braide!

Como imaginar que é honesto um governo com tanta gente acusada de corrupção, principalmente quando o dinheiro público começa a entrar pelo fim da espinha dorsal?

JM Cunha Santos


A corrupção de Carlos Bolsonaro, a corrupção de Eduardo Bolsonaro, a corrupção achocolatada de Flávio Bolsonaro, a corrupção com dinheiro do combate à pandemia de coronavírus, de Michele Bolsonaro.

A tudo isso que a imprensa do Brasil inteiro noticia dia e noite, vem se acrescentar a mais escabrosa notícia de corrupção da história do país, talvez do mundo: a de que um dos vice-líderes do senhor presidente, o senador Chico Rodrigues, diante de uma operação da Polícia Federal, escondeu dinheiro da saúde numa parte que para alguns não é lá muito saudável.

Bolsonaro disse que acabou com a Lava Jato, mas se quiser mesmo defender seus aliados, vai ter que acabar com a atividade de polícia no Brasil.

Vamos começar pelo começo: a polícia da Bahia matou em confronto Adriano de Nóbrega, miliciano que chefiava um grupo de assassinos profissionais no Rio de Janeiro, também acusado de fazer parte do esquema de “rachadinhas” de Flávio Bolsonaro. O senador, durante muito tempo, empregou em seu gabinete a mãe e a mulher do bandido. Adriano de Nóbrega era suspeito, inclusive, de envolvimento no assassinato da vereadora Marielle Franco.

Outro miliciano, Fabrício Queiroz, foi preso pela polícia do Rio de Janeiro, num sítio onde estava homiziado pelo advogado Frederick Wassef, este, além de corrupção, também enrolado com seitas satânicas.

Ministros de Bolsonaro respondem na Justiça por um longo histórico de corrupção. Ricardo Salles pelo rumoroso caso da APA do Tietê, Onix Lorenzoni, acusado da prática de Caixa 2, admitiu ter recebido R$ 100 mil de propina e pediu desculpas.

Tem mais: Paulo Guedes foi alvo da “Operação Greenfield” em virtude de irregularidades de uma de suas empresas com fundos de pensão patrocinados por estatais, uma “corrupçãozinha” que teria custado aos cofres públicos R$ 1 bilhão. Marcelo Álvaro Antônio, ministro do Turismo, responde na Justiça por chefiar o esquema de candidaturas laranjas de mulheres do PSL, antigo partido de Bolsonaro. É acusado de falsidade ideológica eleitoral, apropriação indébita e associação criminosa.

Acrescente-se a isso a origem ignorada de recursos para patrocinar a prática de atos antidemocráticos (aqueles que pediam intervenção militar no Brasil, volta da ditadura etc.) crime que envolve empresários e blogueiros diretamente ligados ao Gabinete do Ódio de Eduardo Bolsonaro, como Allan dos Santos e o deputado Daniel Silveira. E o financiamento com dinheiro público de uma poderosa rede de milicianos digitais operada de dentro do Palácio do Planalto.

Poderia citar aqui ainda outros aliados de primeira hora de Jair Bolsonaro envolvidos em corrupção, como o pastor Everaldo, o bispo Edir Macedo, a pastora Flordelys, o prefeito Marcelo Crivella. Mas deixa pra lá que estes Deus mesmo há de punir.

Como imaginar que é honesto um governo com tanta gente acusada de corrupção, caçada pela polícia, respondendo inquéritos na Justiça, principalmente quando o dinheiro público começa a entrar pelo fim da espinha dorsal?

Não resta dúvidas. O senador Chico Rodrigues é o símbolo perfeito do governo Bolsonaro.

Apoia ele, Braide!

sexta-feira, 16 de outubro de 2020

Flávio Dino anuncia pagamento antecipado do 13º salário e reabertura de cinemas


O 13º salário dos servidores estaduais maranhenses será pago junto com a folha de outubro. O anúncio foi feito pelo governador Flávio Dino, durante coletiva à imprensa concedida no Palácio dos Leões, na manhã desta sexta-feira (16). A decisão tem caráter preventivo com fins a reduzir aglomerações – no comércio e agências bancárias – e soma nas ações de combate ao novo coronavírus. A medida impulsiona a economia maranhense, com injeção de R$ 575 milhões do pagamento da folha, e alcança os mais de 115 mil servidores ativos, inativos e pensionistas do Estado.

“Com essa medida, o servidor estadual pode antecipar suas compras de fim de ano, diminuindo as aglomerações no comércio e, também, injetamos recursos na economia do nosso Estado, mediante o pagamento da folha de outubro e do 13º. É uma forma de estimularmos o setor de comércio e serviços na geração de emprego. Ação pioneira do Governo do Maranhão, sublinhando a marca da gestão no cuidado às pessoas e preocupação com a economia”, destaca o governador Flávio Dino. 

Outro anúncio feito pelo governador se refere à liberação do funcionamento de cinemas, parques de diversões em shoppings e eventos com até 150 pessoas. A permissão se vincula à adoção das devidas medidas sanitárias e de prevenção contra o novo coronavírus. “Até dezembro poderemos falar em mais avanços, caso os números continuem nessa linha de redução”, disse o governador, sobre pedidos para realização de festas com mais de 150 pessoas, eventos privados de grande porte e comemorações como o Revéillon.   

Sobre a vacina, Flávio Dino reforçou que, assim que estiver testada e aprovada, tomará as providências para que chegue ao Maranhão. “Nossa ação principal é no diálogo com o Ministério da Saúde, pois a forma de adquirir a vacina é por meio do Governo Federal. Razão jurídica que nos faz dialogar e insistir com o órgão federal. Em caso de não haver essa coordenação, faremos nossas compras diretamente, de quem tiver a vacina, e ofertaremos à população maranhense”, enfatiza.

Retornando aos casos de reinfecção, o governador citou os registrados no Maranhão, cujas análises foram feitas no Instituto Evandro Chagas e Fio Cruz. O resultado deve sair em três semanas. Flávio Dino pontuou inaugurações de obras na saúde, que prosseguem com a entrega das Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) de Codó e Açailândia, além da Policlínica de Presidente Dutra, marcados para dia 22 de outubro. “Estamos ampliando ainda mais os leitos de UTI. E já multiplicamos por quatro essa oferta de leitos no Maranhão”, disse Flávio Dino. 

O Mutirão de Cirurgias, outra iniciativa de governo na saúde, já ultrapassa os 4,1 mil procedimentos, e até dezembro, a meta é que sejam realizadas 20 mil cirurgias. Para agilizar a fila de espera por esse procedimento, o governador anunciou lançamento de edital para contratação de médicos da rede particular, que tenham interesse em participar do mutirão. 

Na coletiva Flávio Dino anunciou nova etapa da testagem sorológica, na qual 5,1 mil pessoas em 66 municípios serão testadas. A ação inicia nesta segunda-feira (19) e vai até dia 30 de outubro. “Tivemos queda de casos ativos, queda de óbitos e redução também dos casos de contágio. O teste soma nessa prevenção e nos dá um cenário da situação”, pontua o governador. 

Na economia, o governador reforçou a execução de obras e medidas que atendem à geração de empregos e formação de renda, a partir das ações do Plano Emergencial Celso Furtado. Por meio do plano já foram investidos R$ 247 milhões no Estado. A previsão total é de R$ 558 milhões de investimentos em medidas para impulso do trabalho e geração de renda.

quinta-feira, 15 de outubro de 2020

Em sabatina, Rubens garante projetos para segurança, esporte, cultura e mobilidade urbana

Em entrevista ao sistema Mirante nesta quinta-feira (15), transmitido ao vivo nas plataformas do Jornal O Estado, Portal Imirante, o candidato a prefeito de São Luís, Rubens Jr (PCdoB) apresentou propostas e soluções para várias áreas importantes na capital maranhense.

Em recuperação da Covid-19 e cumprindo isolamento social, Rubens foi sabatinado remotamente pelos jornalistas Carla Lima, Gilberto Léda e Lucas Vieira, que debateram Esporte, Cultura, Administração, Mobilidade Urbana e Segurança Pública. Todos os temas foram sorteados. “Agradeço essa possibilidade de retomarmos a sabatina, momento importante de conhecermos a diferença entre os candidatos e um papel importante para o debate democrático em São Luís”, disse.

Rubens mostrou que tem conhecimento sobre os problemas reais de São Luís, e foi claro em todas as propostas e respostas sobre os temas importantes da cidade. Como ele mesmo falou, o seu Plano de Governo não foi criado a partir de deduções, mas, de um diálogo direto com a comunidade. “O meu plano de governo não nasceu da minha cabeça, mas dos debates que fizemos com a população em todo o período da pré-campanha”, argumentou.

Segurança Pública

Perguntado sobre como pensa o gerenciamento e a melhora da segurança pública municipal, Rubens disse que algumas pastas precisam ser pensadas incluindo a região metropolitana, com base principalmente em dados e indicadores, usando a tecnologia e a inteligência a favor. Ele também falou das ações que já realizou na Secretaria de Estado das Cidades (Secid), como o Batalhão Tiradentes na Liberdade e prometeu criar a Guarda Metropolitana. “Fortalecer a Guarda em terminais de integração e equipamentos públicos é uma das ações. Isso também inclui a segurança escolar, no entorno de 200 metros das escolas. Quando a gente integra os dados com a ação melhora e traz retorno positivo pra cidade”, defendeu.

Cultura e Esporte

Questionado sobre a dependência que as iniciativas culturais têm das verbas do Estado, Rubens disse que pensa na autossuficiência das práticas culturais, “que precisam ser pensadas como uma cadeia produtiva para gerar independência e capacidade produtiva”.

No esporte, falou da Lei de Incentivo que será votado em breve, priorizando a valorização dos talentos locais, o incentivo as práticas dentro das comunidades e a valorização dos esportes coletivos.

Mobilidade Urbana

Elogiando o avanço do transporte público da capital e o bom trabalho do prefeito Edivaldo Holanda, Rubens disse que vai revisitar as licitações fazendo novas exigências às empresas de transporte, como nova frota, rotas e aumento no número de ônibus com ar-condicionado, além de integrar o sistema de São Luís com a região Metropolitana intermunicipal.

Sobre ciclofaixas ele defendeu alternativas que alcancem também os trabalhadores. “Precisamos de uma ciclovia que atenda a todos e não só o lazer, como outros candidatos prometem. Bicicletários perto dos terminais de integração e faculdades também é possível”, explicou.

“Bolsonaro acabar com a corrupção seria uma espécie de autoextermínio”, diz Flávio Dino


 O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), criticou as incoerências em vários discursos de Jair Bolsonaro, que apareceu em vídeo destacando uma "união estável" com o senador Chico Rodrigues (DEM-RR), flagrado nessa quarta-feira (14) com R$ 30 mil em dinheiro vivo na cueca durante uma operação da Polícia Federal contra desvios de recursos públicos destinados ao enfrentamento à pandemia do coronavírus. 

"De um jeito inusitado, a verdade mais uma vez derrotou uma mentira de Bolsonaro. Ele sabe onde a corrupção está, sempre bem perto dele, nos círculos mais íntimos do seu transitório poder. Bolsonaro acabar com a corrupção seria uma espécie de autoextermínio", disse o chefe do Executivo maranhense no Twitter. 

De acordo com as investigações da PF, os desvios de recursos de combate à Covid-19 em Roraima somam aproximadamente R$ 20 milhões em emendas parlamentares. A Controladoria-Geral da União (CGU) também atua na apuração.

Sobrinho de Bolsonaro, Leonardo Rodrigues de Jesus, conhecido como Léo Índio, é assessor parlamentar de Chico Rodrigues (DEM-RR) e recebe salário de R$ 22.943,73 por mês.

O DEM avalia suspender a filiação do parlamentar

Brasil 247

Carol Solberg no Olimpo

JM Cunha Santos

 


A esse sol de areia sobre teu corpo

eu diria que és preferente das nuvens

e que só cumprirás tua jornada nas estrelas

quando não mais houver suor no coração da gente

e os que voam forem livres para dizer aonde está doendo

Sob esse sol eu diria que não é permitido interromper as garças

 

Que saque esse que aturdiu as montanhas de gelo

fechou as bocas dos cães sanguinários

brilhou nas cavernas e disse aos tribunais

que os atletas também amam

também amamentam

também choram

e sonham

e, porque sonham, defendem o amor na Terra

 

“O meu grito é pelo Pantanal que arde em chamas”

o meu grito é pela Amazônia destroçada

pelos negros que queimam sem pijamas nas favelas

pelos índios sufocados sob toras de madeira

pelos que vem e vão, vão e vem e não lhes deixam chegar

 

Esse bloqueio cessará para sempre o ódio na varanda

essa bola de ponta fará curvas de ternura e amizade

até que se travem as armas de fogo nas mãos da incerteza

e mais teu grito cobre o preço desse horror em ascensão

 

Venha comigo, Carol

atravessar o portão de nuvens do Olimpo

que o Brasil nesta hora pisa degraus invertidos

e pode cair

como caíram tantas vozes silenciadas de tua garganta

como caem as crianças dos balões

sem saber que a liberdade é o ponto supremo da vitória


quarta-feira, 14 de outubro de 2020

Assembleia aprova projeto do Executivo que cria a Escola Ambiental do Maranhão

Ribamar Santana / Agência Assembleia


A Assembleia aprovou, por unanimidade, na sessão plenária desta quarta-feira (14), o Projeto de Lei 293/2020, de iniciativa do Poder Executivo, que cria e organiza a Escola Ambiental do Estado do Maranhão. A matéria foi encaminhada à sanção do governador Flávio Dino (PCdoB) pelo presidente da Assembleia, deputado Othelino Neto (PCdoB).

A Escola Ambiental do Maranhão tem por objetivo viabilizar a execução da Política Estadual de Educação Ambiental em todos os níveis e modalidades de educação formal e não formal, nos âmbitos público e privado, visando, além da sensibilização socioambiental, à geração de trabalho e renda.

Caberá à Secretaria de Estado de Governo (SEGOV) a gestão da Escola Ambiental, bem como a coordenação das ações relacionadas aos respectivos eixos de atuação: Educação Ambiental Não-Formal, Educação Ambiental Formal e Ciência, Tecnologia e Inovação.

A Escola Ambiental do Maranhão poderá celebrar parcerias administrativas com órgãos dos demais poderes do Estado, com outros entes da Federação, empresas e com entidades  da sociedade civil, a exemplo do Fórum Estadual de Educação Ambiental.

Iniciativas inovadores

Na Mensagem Governamental de encaminhamento da proposição à Assembleia, o governador Flávio Dino afirma que a matéria visa estimular a implementação de iniciativas inovadoras de gestão ambiental, que contribuam para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) das Nações Unidas (Agenda 2030) e estabeleça um novo instrumento para a promoção da educação ambiental e para a conscientização pública acerca da importância da preservação do meio ambiente.

Segundo o governador, a Escola Ambiental do Maranhão atende aos princípios e diretrizes da Política Nacional de Educação Ambiental (PNEA), do Programa Nacional de Educação Ambiental (PRONEA) e da Política Estadual de Meio Ambiente e Sistema Estadual de Educação Ambiental, estabelecidos na Lei 9.279, de 22 de setembro de 2010.

Brilhante Ustra, tratado de “herói nacional” por Jair Bolsonaro e “homem de honra” pelo general Mourão, torturava crianças e bebês

JM Cunha Santos


A Medicina Legal, a Psiquiatria, a Psicanálise, talvez expliquem que tipo de prazer é esse, o orgasmo infernal de quem goza com o sofrimento alheio, de quem entra em êxtase psíquica e carnal infligindo dor, ouvindo gritos de desespero e horror, vendo ossos humanos estalando, sangue escorrendo de gente amarrada; o maldito prazer sensorial de quem tortura homens e mulheres, crianças e bebês.

Não. Não explicam. Nada explica. Está além do próprio Deus.

E o que se pode dizer de quem considera esse tipo de aberração humana um “herói nacional”, segundo Bolsonaro, um “homem de honra”, segundo declaração recente do vice-presidente Hamilton Mourão.

O vereador Gilberto Natalini, de São Paulo, contou, em resposta ao dito de Mourão, que os choques elétricos que lhe foram ministrados pelo coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra e sua equipe, nos ouvidos, deixaram sua mucosa bucal em carne viva. Choques e pauladas a noite inteira, durante um mês inteiro, enquanto o coronel fazia troça, piadas, em êxtase descomunal diante do sofrimento sem tamanho que era capaz de infligir em seus semelhantes.

Quando se esgotavam todas as técnicas de tortura, a equipe de Brilhante Ustra ia buscar os filhos dos presos políticos, pouco se importando que fossem crianças ou até bebês, numa última tentativa para obter informações. Às vezes torturavam em família. Pais, mães, irmãos, filhos, todos juntos, no mais assombroso espetáculo de horror.

Maria Adélia Teles nunca esqueceu o dia em que o coronel Brilhante Ustra trouxe pelas mãos seus dois filhos, Edison Teles, de 5 anos e Janaína de 4 anos, e levou até aonde ela estava: nua, suja de sangue e de vômito, na “Cadeira do Dragão”. E lá estava também seu marido, César Teles, recém-saído do coma em decorrência de torturas no “Pau de Arara”.

E aquela criança de apenas quatro anos de idade, Janaína, perguntou: “Mãe, porque você está azul (manchas roxas deixadas pela tortura) e papai está verde?

Uma criança de somente 1 ano e 8 meses, Carlos Alexandre Azevedo, foi torturado nas dependências da DOPS (Delegacia de Ordem Política e Social) de São Paulo. Cresceu vítima de depressão e fobia social até que acabou se suicidando.

Nos relatórios da Comissão da Verdade, da Câmara Federal, tem muitas histórias como essas, grande parte delas envolvendo o “herói nacional” de Jair Bolsonaro, Brilhante Ustra homem a quem homenagearia também no dia em que votou pelo impeachment de Dilma Rousseff, igualmente torturada pelo “herói”, gritando: “Pela memória do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, o pavor de Dilma Rousseff”!

Por essa homenagem, Jair Bolsonaro foi processado pela Ordem dos Advogados do Brasil que pediu a sua cassação e incursão na lei penal por apologia ao crime. Não deu em nada.

Sinceramente, eu começo a crer, de fato, que tem gente no mundo que não é filho de Deus. E lamento que existam políticos também aqui no Maranhão trabalhando para reeleger Jair Bolsonaro presidente da República no Brasil.

Tudo isso dói demais.

(Fontes: Comissão da Verdade, Uol, revista Isto É e Consultor Jurídico)

terça-feira, 13 de outubro de 2020

Inspirado em Flávio Dino, Rubens vai repetir em São Luís o que deu certo em todo o Estado



O candidato a prefeito de São Luís pelo PCdoB, Rubens Jr, é antigo aliado do governador Flávio Dino, do mesmo partido. O deputado federal costuma dizer que é aliado de Dino desde quando este perdia eleições, ou seja, a aliança sempre foi por convicção, não por conveniência eleitoral.

Por isso, Rubens quando for eleito pretende repetir em seu mandato aquilo que deu certo a nível estadual, como o programa Cheque Minha Casa. Na versão ludovicense, o programa será o Cheque Minha Casa Municipal e dará a mesma quantidade de cheques que o Governo do Estado entregar.

Outra proposta de Rubens Jr é revolucionar a saúde da capital, como fez Flávio Dino no Estado, dando exemplo nacional no combate à pandemia do coronavírus. A primeira ideia de Rubens é transformar o Hospital da Ilha- obra do Governo do Estado em andamento- em um novo Socorrão da capital, desafogando a demanda nas outras duas unidades já existentes.

Por fim, outro programa que inspira Rubens Jr é o Força Estadual de Saúde, que a nível de São Luís será a Força Municipal de Saúde, focado em oferecer e ampliar a atenção primária da capital.

A parceria entre Governo do Estado e Prefeitura, com Rubens sendo prefeito, seguirá os moldes do que Edivaldo Holanda Jr tem feito. Quem ganha é a população de São Luís com os dois entes unidos em desenvolver ainda mais a Jamaica Brasileira.

segunda-feira, 12 de outubro de 2020

150 mil mortos depois, governadores agora temem que Bolsonaro empaque a vacinação contra a covid-19 no Brasil; Apoia ele, Braide!

Robôs e bots do Gabinete do Ódio que atuam nas redes sociais espalham que a vacina chinesa contratada pelo governo de São Paulo produz efeitos colaterais, pode matar e não funciona.

JM Cunha Santos


Jair Bolsonaro fez de tudo a seu alcance para que o Brasil não chegasse ao estágio de estabilidade em que se encontra hoje em relação ao combate ao coronavírus. Tratou a doença mortal como gripezinha, mentiu sobre a eficácia da cloroquina no combate ao vírus, estimulou aglomerações na condição de presidente e delas participou e investiu com violência verbal contra o isolamento social e contra o uso de máscaras, medidas de combate ao coronavírus defendidas por toda a comunidade médico-científica mundial. Além disso, na condição de presidente, se negou a liderar o país no combate à pandemia.

O que acontece, agora, porém, é muito mais grave. O senhor presidente está querendo politizar a vacinação contra a covid-19 no Brasil. Tanto que o governador de São Paulo, João Dória e outros avaliam formar um consórcio de estados para garantir a distribuição da vacina CoronaVac, caso o Governo Federal resista a fornecer o imunizante através do SUS, conforme publicou a coluna Radar, da revista Veja.

A lentidão do Ministério da Saúde em formalizar acordos de distribuição dessa vacina, que é a primeira a chegar nessa etapa e cuja fase de testes termina no próximo dia 15, levanta nos governadores a suspeita de que o senhor ministro Eduardo Pazuello estaria atuando em nome de Bolsonaro para estimular entre os estados uma luta política pela vacina.

Segundo ainda a revista Veja, um governador disse: “Se Bolsonaro acha que transformará a vacina em uma guerra política está enganado. Se o governo não fornecer a vacina pelo SUS aos estados, nós o faremos. Não vamos deixar a população sem vacina por questões políticas”.

O governo de São Paulo lidera estudos com a potencial vacina produzida pela empresa chinesa Sinovac Biotech, parceria que já recebeu críticas de Jair Bolsonaro. Por outro lado, o Ministério da Saúde firmou parceria para compra e posterior produção local da vacina desenvolvida pelo laboratório britânico AstraZeneca. O presidente diz que essa vacina é diferente “daquela outra” que não vem tecnologia. Mas é mentira. A parceria para aquisição da vacina chinesa prevê sim a transferência de tecnologia. Sem contar que os acordos assinados pelo Brasil com a britânica AstraZeneca são, no mínimo estranhos. Para começo de assunto, se a vacina não der resultado, não haverá reembolso dos R$ 300 milhões pagos pelo governo. Além disso, ficou a cargo da empresa determinar quando acaba a pandemia no Brasil, conforme requerimento do deputado Alexandre Padilha (PT) que exige acesso a todos os acordos entre o governo e a multinacional.

Ataque nas redes sociais

Para além da lentidão do Ministério da Saúde no trato de uma questão que é crucial para a salvação das vidas de muitos brasileiros, a tentativa de provocar uma guerra política que pode atrasar a vacinação contra a covid-19 em muitos estados do país, se faz sentir em mais uma atuação criminosa dos robôs do Gabinete do Ódio nas redes sociais.

O governador de São Paulo, João Dória, já sentiu essa atuação na pele e reclamou. “Lamento profundamente ações de extremistas que utilizam as redes sociais e difundem informações falsas, mentirosas, agressivas e temerosas à população do Brasil, dizendo que a vacina (chinesa) produz efeitos colaterais, pode matar ou que não funciona”, disse o governador.

Assim é o governo de Jair Bolsonaro. Apoia ele, Braide.

domingo, 11 de outubro de 2020

Governo Bolsonaro ameaça tirar dinheiro dos salários de aposentados e pensionistas para pagar o programa Renda Cidadã; Apoia ele, Braide!

JM Cunha Santos


Guardaram o debate em torno do programa Renda Cidadã, propositadamente, para depois das eleições municipais; e a intenção não é outra senão impedir que aposentados e pensionistas votem em massa contra candidatos ligados a Jair Bolsonaro.

O portal G1 divulgou, ontem, que a fonte de financiamento mais certa para esse programa eleitoreiro, que visa a reeleição de Bolsonaro em 2022, é a desindexação das aposentadorias e pensões superiores a um salário mínimo. Isto significa por fim, paulatinamente, aos mecanismos de reajustes dos aposentados e pensionistas. Em linguagem de pobre, deixar toda essa gente na mais absoluta miséria.

Há outras propostas, como a de acabar com as deduções de despesas médicas e de educação no Imposto de Renda, o que é, igualmente, uma sacanagem sem tamanho.

Pensaram também em por fim aos chamados supersalários dos funcionários públicos, mas descobriram que o impacto orçamentário não daria conta de pagar o Renda Cidadã.

Falam, ainda, em se apropriar dos recursos das emendas parlamentares, que somam R$ 9,7 bilhões em emendas individuais e R$ 6,7 bilhões em emendas de bancada. Mas só falaram, sabem que tal proposta jamais passaria pelo Centrão, o maior bloco parlamentar no Congresso Nacional e que hoje, em troca de cargos e outras sinecuras, apoia Jair Bolsonaro.

Outra sacanagem em vista do governo é a redução proporcional da jornada de trabalho e da REMUNERAÇÃO dos servidores públicos para fazer frente aos pagamentos do programa Renda Cidadã.

Em outras palavras, assim que passar a eleição e candidatos apoiados por Bolsonaro estiverem eleitos, o Governo Federal vai promover um ataque mortal contra as finanças de aposentados, pensionistas e servidores públicos em geral.

Apoia ele, Braide!

Maranhão em primeiro lugar no ranking de combate à covid-19 entre os 27 estados brasileiros

“Esses seguidos resultados positivos são fruto de um esforço diário de gestão e do trabalho de nossos profissionais da saúde” (Flávio Dino, governador do Maranhão)

“O primeiro lugar nesse ranking testifica que nossas medidas foram baseadas em evidências científicas e gestão estratégica”. (Carlos Lula, secretário de Estado da Saúde)

JM Cunha Santos


Só podemos dizer que desde o início foi um trabalho fabuloso o desenvolvido pelo governo do Maranhão no combate à pandemia de covid-19. O estado foi o primeiro a dispor de um hospital exclusivo para tratamento de vítimas do coronavírus, um dos primeiros a multiplicar o número de leitos de UTI destinados a pacientes com o vírus e talvez o único que logrou inaugurar 3 hospitais em apenas 2 semanas para enfrentar a doença.

Foi o Maranhão também o primeiro estado do país a decretar lockdown, num momento em que a maioria dos estados temia aplicar essa medida extrema.

Agora temos a notícia de que o Centro de Liderança Pública, organização com sede principal em São Paulo, dedicada ao desenvolvimento de líderes e que mede a eficácia da gestão e da melhoria da qualidade das políticas públicas, usando como ferramenta o Ranking de Competitividade dos Estados, coloca o Maranhão como o mais eficaz e transparente no combate à covid-19.

Abaixo a notícia ontem divulgada pela Agência de Notícias do governo do Maranhão:   

As ações desenvolvidas pelo Governo do Maranhão garantiram ao estado o primeiro lugar no ‘Ranking Covid-19 dos Estados’, desenvolvido pelo Centro de Liderança Pública (CLP). O objetivo da análise é comparar a implementação de políticas públicas de enfrentamento à pandemia nas 27 unidades federativas.

Para o governador Flávio Dino, o bom desempenho do Maranhão se deve à soma de atitudes de diversos atores. “Esses seguidos resultados positivos são fruto de um esforço diário de gestão e do trabalho dos nossos profissionais da saúde. Continuamos o enfrentamento dos casos e já estamos preparando um novo planejamento para 2021, considerando a hipótese de a pandemia prosseguir e até eventualmente piorar, como lamentavelmente estamos vendo em alguns países da Europa”, disse em nota.

Atualmente, o Maranhão é o único estado com taxa de contágio menor do que 1 há mais de 110 dias, segundo Covid-19 Analytics. O cenário estável garantiu o retorno de diversos Programas como o Mais Cirurgias e a reabertura das atividades comerciais, além da retomada das obras e inaugurações de novos serviços de saúde.

“Estamos colhendo os frutos de muitos meses de luta. A experiência exitosa do Maranhão também é reconhecida pela Organização Pan-Americana da Saúde, que recentemente esteve conosco para conhecer de perto todos os investimentos realizados pela gestão estadual. O primeiro lugar neste ranking testifica que nossas medidas e investimentos foram baseados em evidência científica e gestão estratégica”, contou o secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula.

O Ranking Covid-19 dos Estados avalia nove critérios: proporção de casos confirmados, evolução logarítmica de casos e porcentual de mortalidade da Covid-19 e de Síndromes Respiratórias Agudas Graves (SRAG); as notas de transparência do combate ao coronavírus elaboradas pela Open Knowledge Brasil e dados de isolamento social do Google. Quanto maior a nota final, pior é o desempenho dos Estados no enfrentamento à pandemia. A nota do Maranhão neste último levantamento é 8,59.

sábado, 10 de outubro de 2020

Senadores americanos investem contra o que chamam de ataques racistas do governo Bolsonaro no Maranhão

JM Cunha Santos

A BBC News Brasil noticiou, no último dia 7 de outubro, que segundo o senador e ex-pré-candidato a Presidência dos EUA, Bernie Sanders, o governo de Jair Bolsonaro é responsável por ataques implacáveis contra comunidades indígenas e quilombolas. “Meus colegas e eu pedimos que o Congresso se levante e insista que os dólares dos contribuintes dos EUA não sejam usados para apoiar os esforços do governo Bolsonaro para deslocar, reprimir e ameaçar ainda mais o modo de vida dessas comunidades”, disse Sanders à BBC News.

Uma carta assinada por quatro senadores, incluindo Bernie, pede que o governo americano não participe de projetos que coloquem comunidades quilombolas brasileiras sob o risco de ataques racistas e desapropriações. Os senadores contestam a intenção de Donald Trump de investir em pesquisas e lançamentos de satélites do Centro de Lançamento de Alcântara, no Maranhão.

Os políticos americanos entendem que o dinheiro de impostos do país não deve ser usado para desapropriar forçadamente comunidades indígenas e quilombolas centenárias. O governo Bolsonaro afirma que o Acordo de Alcântara estimulará o desenvolvimento do Programa Espacial Brasileiro e poderá gerar investimentos de até R$ 1,5 bilhão na economia nacional.

Em Alcântara existem mais de 200 comunidades quilombolas agrupadas em três territórios e uma resolução federal publicada em março de 2020 ordenou a execução, por meio do Comando da Aeronáutica, das mudanças das famílias realocadas. Uma decisão da Justiça Federal de maio de 2020, entretanto, proibiu a remoção de famílias quilombolas da região até que sejam feitas consultas abertas às comunidades afetadas. Mas é lógico que o racista Jair Bolsonaro que, conforme matéria aqui no Blog, comparou negros a porcos e outros animais durante palestra no Rio de Janeiro, não está interessado no que os remanescentes de quilombos têm a dizer, mas apenas nos R$ 1,5 bilhão que espera faturar em Alcântara.

Por mais de 300 anos, africanos que foram escravizados e seus descendentes vivem em comunidades quilombolas em Alcântara. E são muitas as comunidades quilombolas no Estado, 22 delas no município de Anajatuba onde o candidato a prefeito Eduardo Braide, que apoia Bolsonaro, foi muito bem votado em 2018.

Programa de Rubens na TV dá de dez a zero nos demais candidatos; programa de Braide é sorumbático, insosso e sem projetos para São Luís

JM Cunha Santos



Rubens trouxe à TV um programa que consegue ser alegre e sério ao mesmo tempo, uma raridade na propaganda política da televisão. Nesse primeiro programa, reafirma sua posição inconfundível de aliança com o governador Flávio Dino e compromisso de fazer uma administração voltada para os que mais precisam, a exemplo do ex-presidente Lula com o Bolsa Família e o Minha Casa Minha Vida e do próprio governador com o Mais IDH e o Escolas Dignas, sinônimos de inclusão e de combate à pobreza no país.

Priorizando a movimentação popular que marca os encontros e caminhadas de sua campanha, Rubens defendeu, logo no primeiro instante, projetos para uma São Luís melhor e garantiu a manutenção da parceria entre o governo do Estado e a Prefeitura, que vem dando certo como nunca com Edivaldo Holanda Jr, e Flávio Dino. E podemos citar aqui alguns resultados dessa parceria, como obras do Programa Mais Asfalto e Interbairros em São Luís, mobilidade urbana, e Hospital da Criança.

O esquisito programa de Braide

Logo na abertura do programa de Braide, eu tive a sensação de estar assistindo às primeiras cenas de um filme de terror, em meio a uma sucessão de trovões e relâmpagos vazados por uma passeata de coadjuvantes transformados em zumbis sem rostos e marchando na direção de um vampiro ou de algum fanático que estava ali para anunciar o fim do mundo.

Um programa sorumbático, sustentado num jingle insosso e de letra muito ruim. Uma coisa apavorante, como são as companhias políticas de Eduardo Braide: o patrono de sua candidatura, o senador Roberto Rocha e o presidente racista e armamentista Jair Bolsonaro. Além do que, o candidato do Bozo repete um discurso antigo, de outra candidatura, provavelmente porque estando aonde está agora não tem o que dizer nem o que propor.

O programa de Rubens transmitiu confiança e fé. O candidato desfere um discurso positivo, pra cima, de quem confia na própria competência e, por isso, propaga esperança na tela da TV. Além do que, espelha-se no ex-presidente Lula cujo governo, segundo o Instituo Ipea, reduziu a miséria em 27,7 % somente no primeiro mandato e a pobreza em 50 % até o final do segundo; e em Flávio Dino, aprovado por 70 % da população e já por duas vezes consagrado como melhor governador do Brasil.

Braide só tem esse lamentável Bolsonaro para mostrar. E nem mostra.