Banner

Banner

terça-feira, 18 de outubro de 2016

Arrogante, Eduardo Braide ameaça colocar jornalistas na cadeia

Esse é, de fato, um país muito estranho, no qual aqueles que cometem crimes de corrupção permanecem livres e os que denunciam são processados e ameaçados de prisão.

JM Cunha Santos


Desconfiem de candidatos que atacam e ameaçam a imprensa. Geralmente eles têm muita coisa podre a esconder. E Eduardo Braide tem. Uma das primeiras investidas desse candidato, depois de passar para o segundo turno, foi ameaçar com processos na Justiça a imprensa que não se alinha ao modelo de comunicação equivocado e às vezes até criminoso do grupo Sarney. É só lembrar o caso Reis Pacheco, dentre outros.
A arrogância do deputado Eduardo Braide não tem limites. Em recente encontro no Conselho Regional de Medicina, o candidato gabou-se dos sucessivos processos contra jornalistas e blogueiros na área cível e os ameaçou processar na esfera penal, ou seja, quer colocar jornalistas na cadeia, o que por si só já denuncia sua arrogância, prepotência e espírito ditatorial. A arrogância é tanta que ele propõe a extinção da blogosfera no Estado. Dirigindo-se aos médicos disse: “Sei que médicos já foram vítimas de blogueiros. Se todos fizessem o que eu fiz, não existiriam mais blogueiros nesta cidade tentando achacar os outros e denegrir a imagem”.
Mas jornalistas lidam com fatos. E é fato real e indesmentível a existência da Máfia de Anajatuba que, segundo denúncias do Ministério Público, tinha entre seus chefes o pai do candidato, Antônio Carlos Braide, Fabiano Bezerra, dono da FCB Produções e Eventos e o dono da Escutec, Fernando Júnior. Essa máfia, conforme a denúncia do MP, desviou R$ 45 milhões de diversas prefeituras.
É real e indesmentível também que o deputado Eduardo Braide destinou R$ 70 mil de suas emendas parlamentares de 2014 para a empresa FCB Produções e Eventos, de propriedade de Fabiano de Carvalho Bezerra, apontado pelo Grupo de Atuação Especial de Combate a Organizações Criminosas (Gaeco) como um dos chefes da Máfia de Anajatuba. Fabiano era assessor de Eduardo Braide. A Máfia de Anajatuba foi uma das matérias de maior audiência no quadro “Cadê o Dinheiro que Estava Aqui”, do programa Fantástico da Rede Globo.
Esse é, de fato, um país muito estranho, no qual os que cometem crimes de corrupção permanecem livres e aqueles que denunciam são processados e ameaçados de prisão. A arrogância de Eduardo Braide, processando e ameaçando jornalistas de prisão e propondo a extinção da blogosfera no Maranhão, é um atentado à liberdade de imprensa e à liberdade de expressão.
A ditadura, já faz tempo que acabou e esse tipo de homem público é, antes tudo, uma ameaça à democracia. 

Um comentário:

  1. Alguém poderia dizer para o Eduardo Braide que a CAEMA, empresa que ele dirigiu, não é uma empresa pública? Ele fala em seu programa eleitoral que foi presidente da maior empresa pública do Maranhão.

    ResponderExcluir