Banner

Banner

sábado, 10 de dezembro de 2016

O pescoço dos mais pobres

JM Cunha Santos


Imerge o Brasil num período de caça ao trabalhador que se evidencia em propostas de emendas constitucionais, as chamadas reformas, que decidiram cobrar ao trabalhador - e somente ao trabalhador, o preço de uma crise econômica cavada nos terrenos da corrupção, da inépcia administrativa e da sonegação.
Seriam cômicas, se não fossem trágicas, a Reforma da Previdência e a Reforma Trabalhista. Propõe-se o fim de tudo, a começar pela aposentadoria integral, a liquidação das pensões por morte, a alteração para menor de direitos adquiridos da classe trabalhadora, como décimo terceiro e, dentre outros. Nada a cobrar, nenhum sacrifício, dos banqueiros, dos patrões, dos milionários, dos grandes sonegadores de impostos.
Enquanto isso, a Procuradoria Geral da Fazenda Nacional revela somente cerca de 13 mil empresas e pessoas devem ao fisco R$ 900 bilhões em impostos, sendo que a soma dos débitos da sonegação atinge a cifra estratosférica de R$ 1,8 trilhão e os grandes devedores, - 0,3 % do total, são responsáveis por R$ 1,4 trilhão dessa dívida, a dívida não previdenciária. E não se incluem aí os recolhimentos devidos do FGTS. Mas o governo não quer receber esses quase R$ 2 trilhões que afundam o país na fossa asséptica da bandalheira institucional.

Nas ruas do Brasil, o cheiro de sangue e de fome provoca levantes, pois que as soluções do neoliberalismo para a crise econômica incluem apenas o pescoço dos mais pobres, desde antes esgarçado por um cutelo de dois gumes: o da corrupção e o da sonegação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário