Banner

Banner

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Lobão é o inimigo público Nº 1 da Justiça e da Polícia Federal no Brasil

Esvaem-se, assim, os sonhos dos corruptos do país de garantir impunidade colocando colegas em cargos chaves do Congresso, na Procuradoria Geral da República e no Supremo Tribunal Federal.

JM Cunha Santos


Nem faz três dias que eu alertei, aqui mesmo neste blog, que tinham enfiado Lobão numa camisa de onze varas com essa eleição para a Comissão de Constituição e Justiça do Senado - mais um com a missão de obstruir a Justiça - e a Polícia Federal deslanchou a Operação Leviatã.
Lobão, com suas propostas sarno-renânicas (parece nome de doença) de aprovar excrescências como esse novo projeto de lei de abuso de autoridade destinado a punir juízes que decidam contra a corrupção, anistia a políticos envolvidos com Caixa 2 e mudanças na legislação concernente à delação premiada, tornou-se, de um só golpe, o inimigo público Nº 1 da Justiça brasileira e também da Polícia Federal. Eu disse, no mesmo artigo, que a PF não ia aceitar ver seu trabalho de anos ser destruído a golpes de legislação biônica, como sugeriu em entrevista o ex-ministro das Minas e Energias.
O filho de Lobão, Márcio Lobão, é um dos principais alvos da Operação Leviatã, que cumpriu mandados expedidos pelo ministro relator da Lava Jato, Edson Fachin. O inquérito visa gordas propinas pagas na conta da Usina de Belo Monte e é mais uma consequência da delação de Sérgio Machado, o homem da Transpetro que acusou José Sarney de receber propinas que alcançam R$ 18 milhões. E ainda falta Angra 3.
A presença de Lobão na Comissão de Constituição e Justiça do Senado é decorrência do apoio de Sarney e de Renan Calheiros que, por sua vez, responde a 12 inquéritos no Supremo Tribunal Federal.
Ao que parece, os corruptos do Brasil não querem se convencer de que não podem mais manipular, destratar e desfazer da Justiça brasileira. Às declarações bombásticas de Lobão depois que assumiu a CCJ, sucederam-se dois fatos surpreendentes e muito rápidos: os mandados de busca e apreensão do ministro do STF que redundaram na Operação Leviatã e alcançaram o senador e seu filho Márcio Lobão e a decisão de procuradores gerais de 11 países, incluindo o Brasil, de agir em conjunto nas investigações dos crimes da Odebrecht e do que chamam “Caso Lava Jato”. Coincidência? Nem aqui, nem na China. Esvaem-se, assim, os sonhos dos corruptos deste país de ganhar impunidade colocando colegas em cargos chaves do Congresso, na Procuradoria Geral da República e no Supremo Tribunal Federal.

Lobão está no olho desse furacão. Ou sai daí ou o vento leva.

Nenhum comentário:

Postar um comentário