Banner

Banner

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Brasil um País de múltiplas contradições

Por: Joilson S. Aguiar, Filósofo e Graduando de Psicologia.


A República Federativa do Brasil vive hoje um momento delicado de sua história no âmbito político que tem sido nomeada: de crise política por especialistas das mais diversas áreas do saber, gostaria aqui de ressaltar que o que está sendo chamado de crise com suas inúmeras denúncias de corrupção não é algo novo e remonta os primórdios da colonização e é imanente a cultura de se fazer política nessa Pátria, as formas que consolidaram o Brasil como independente já são um tanto quanto duvidosas e corrompida é algo que revela a história, segundo a filósofa Scarlett Marton, O Brasil é um País em que a história e a memória contam pouco. Temos um comportamento de quem não tem história, o que nos faz começar a cada momento. A corrupção acima mencionada parece está enraizada na cultura deste povo e muitas das vezes tida como prática aceitável para se alcançar certos objetivos em curto prazo é o que se conhece por jeitinho brasileiro, é trágico mais se faz necessário dizer que esse câncer não será facilmente extirpado.
Os acontecimentos lamentáveis que a nação tem visto acontecer de braços cruzados ou abertos à espera de milagres ecoarão na eternidade. Esses acontecimentos que se sucedem diariamente e que são transmitidos pelas mídias sensacionalistas que por vezes omitem a verdade, têm como objetivos dividir as massas. Assim é mais fácil controla-las e tudo que tens acontecido ainda é muito cedo para termos uma visão clara destes fenômenos ou entender o que de fato tens acontecido, o que se pode apontar de forma simplista: é que existem muitos interesses escusos que estão por trás de tudo isso.
Essa geração está condenada pela sua inércia e as gerações futuras pagarão um alto preço e talvez culpe a geração de hoje pela incapacidade e descompromisso por não agirem politicamente em prol de seus direitos. Fatos nunca vistos têm acontecido e ganhado notoriedade nacional e internacional, deputados presos, afastados de seus cargos, senadores presos e afastados de seus cargos, presidente afastado de seu cargo, presidente condenado pela justiça e presidente sendo investigado. Não se pode negar que algo está acontecendo só não se sabe o que e o resultado de tudo isso.
O modo que se faz e se prática política no Brasil não atende ou nunca atenderam os interesses públicos da nação tornou-se um comitê de interesses pessoais uma verdadeira dinastia Ming, pais, esposas, filhos e netos que se prolongam por anos a fio em cargos públicos, aqueles que se dizem representar o povo utilizam a máquina pública para alcançar seus interesses pessoais é sempre os fins justificando os meios. Devo concordar com Renato Russo do panorama que faz do País na música perfeição e mais ainda quando afirma que o Estado brasileiro não é uma nação. Um povo que não se reconhece como sendo da mesma espécie será extinta da fase da terra, o povo brasileiro está demasiadamente passivo e em sono profundo. Segundo Nicolau Maquiavel, Uma república sem cidadãos de boa reputação não pode existir nem ser bem governada; por outro lado, a reputação dos cidadãos é motivo de tirania das repúblicas.   
 A constituição brasileira parece ser escrita em sânscrito e não existe quem consiga decifra-la, direitos sendo retirados, gastos de áreas importantes foram congelados, reformas sendo aprovadas em décimos de segundos e as escuras, mas os direitos da classe política e empresarial deste País permanecem intocáveis. Bem se sabe ou deveríamos saber que a reforma trabalhista recentemente aprovada nada mais é que a venda da mão de obra do povo brasileiro aos donos do capital em troca do governo manter-se no poder, uma mera moeda de troca.

Apontar soluções para tais problemas acima mencionados seria um tanto quanto impossível, pois contos de fadas nunca se realizaram e medidas emergenciais também não funcionam é preciso encontrar a peça perdida da engrenagem que irá fazer o Brasil funcionar se é que se pode encontrar, um País não se faz de projetos e reformas políticas, e nada se constrói de um dia pra noite. Como dizia Monteiro Lobato: Um País se faz com homens e livros. Enquanto isso a hemorragia interna continuará a jorrar sangue.    

Nenhum comentário:

Postar um comentário